“E se fossem meus filhos?”, Angelina Jolie se emociona ao discursar no campo de refugiados da Jordânia

A atriz já visitou quatro vezes o segundo maior campo de refugiados do mundo, o qual abriga 122 mil habitantes. Não é a toa que ela – enviada especial do Alto Comissariado da ONU para refugiados – não conseguiu conter a emoção ao discursar sobre os conflitos que assolam a Síria há 5 anos.

Uma pesquisa realizada pela Unicef divulgou uma das faces mais tristes e cruéis da atual crise do sistema humanitário – já considerada por alguns como a pior dos últimos tempos: cerca de 50 milhões de crianças, de todo o globo, foram obrigadas a deixarem suas casas. Mais da metade desse número – isto é, 28 milhões – disseram adeus à sua terra natal por medo de acabarem sem vida devido as guerras, perseguições e conflitos violentos. 

Leia mais: Angelina Jolie alerta para a crise do sistema internacional humanitário​.

Por já ter entrado em contato, diversas vezes, com o sofrimento dos 122 mil habitantes do segundo maior campo de refugiados do mundo, localizado em Zaatari, no Norte da Jordânia, a atriz e enviada especial do Alto Comissariado da Organização das Nações Unidas (ONU) para refugiados, Angelina Jolie, não conseguiu conter a emoção ao discursar sobre os conflitos que assolam a Síria e milhares de pequenos desterrados. É a quarta vez que a atriz norte-americana visita o local, que há 5 anos abriga essas pessoas.  

Veja também: Conheça ativista que estimula a educação em campo de refugiado​s.

“Eu consigo ver nos olhos torturados dessas crianças que algumas não se lembram de como eram suas vidas antes de virem para cá, neste ambiente desértico e cheio de cercas de arame farpado”, disse aos repórteres e enviados especiais presentes, nesta última sexta-feira: “Há adolescentes aqui que carregam consigo feridas terríveis – tanto física, quanto psicologicamente – dos conflitos que presenciaram. Mais da metade dos refugiados deste campo são menores de 18 anos, e têm a idade dos meus filhos.

Leia mais: Fotógrafo registra locais precários onde crianças refugiadas dormem.

Jolie e Brad Pitt têm uma família de seis filhos: Maddox, de 15 anos; Pax, de 12; Zahara, de 11; Shiloh, de 10 e os gêmeos Knox e Vivienne, de 8. E ela demonstrou estar pensando neles enquanto proferia sua declaração: “Como qualquer pessoa que tenha um mínimo de altruísmo, é impossível para mim não imaginar o que seria da minha vida de meus próprios pequenos estivessem submetidos a uma situação tão traumatizante, e isso quebra o meu coração.”

Veja também: Garota de 10 anos lança livro para ajudar refugiados.

Um de seus maiores objetivos com o discurso, certamente, foi alertar o mundo para a situação para a crise humanitária – principalmente as nações que estiveram presentes na Assembleia Geral da ONU (UN General Assembly). O desafio colocado por ela às autoridades abrange as formas de atingir o cerne da questão e, a partir disso, desenvolver possíveis soluções. “Depois de cinco anos vivendo aqui, os refugiados não sabem se estão mais vulneráveis, nem quando poderão voltar para casa. Eles não querem apenas receber mantimentos para sobreviverem neste campo hostil, mas sim uma resposta política”, explicou. 

Leia mais: Em vídeo emocionante, garota síria refugiada narra sua jornada​.

E ainda acrescentou: “Eu desejo que todas as famílias da Jordânia e região possam, algum dia, celebrar o fim do jejum do Ramadã (evento conhecido pelo nome de Eid Mubarak). Mas o que era para ser uma época de felicidade, alegria e comemoração, dá lugar ao exílio, dor e luto – meus pensamentos estão com vocês.” Não é de hoje que Angelina tem se mostrado bastante engajada com a causa: em março deste ano, a atriz retornou ao Vale do Beca, no Líbano, onde marca o quinto aniversário da guerra síria. Na ocasião, ela conversou com líderes mundiais e chefes-de-Estado para continuar a idealizar projetos para ajudar milhares de desterrados. 

Veja também: Casal alemão cria site para unir refugiados a pessoas dispostas a abrigá-los em suas casas.

“Para mim, a situação que estamos enfrentando hoje coloca por terra qualquer projeto de lei contra essas pessoas, apenas precisamos parar de sentirmos medo e agirmos politicamente. O mundo olha desesperadamente para todos os refugiados quando tentamos propor alguma melhoria, e eu espero um dia ser capaz de tornar palpável alguma.” Concluiu: “Desejo, do fundo do meu coração, que em março do ano que vem, eu possa vir até à Síria e encontrar paz, e que todos que aqui estão também possam seguir seu caminho de volta para o lar sem arriscar a própria vida.”

Leia mais: Este casal convidou 4 mil refugiados sírios para a o próprio casamento​.

Assista ao vídeo na íntegra: 

Veja também: O que aprendi em uma aula de culinária com uma refugiada síria​.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s