CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 12,90/MÊS

Channing Tatum: o novo queridinho de Hollywood

Se você ainda não conhece Channing Tatum, prepare-se: vai se cansar de vê-lo no cinema neste ano

Por Redação M de Mulher Atualizado em 16 jan 2020, 12h33 - Publicado em 1 jul 2012, 21h00

Channing Tatum: de stripper a queridinho de Hollywood
Foto: Divulgação

Lembra quando disseram que 2012 seria o Ano do Dragão? Pode esquecer. A menos que esse dragão tenha 1,85 m, um corpão musculoso e uma das carreiras mais promissoras de Hollywood. Se 2012 tem algum dono, ele é de Channing Tatum: até dezembro, o ator terá aparecido em papéis de destaque em cinco novos filmes. Os dois primeiros, a pancadaria “A Toda Prova” e a comédia “Anjos da Lei“, já entraram em cartaz. Mas é o terceiro que mostra o lado de Channing de que mais gostamos: no romance “Para Sempre” ele é Leo, um produtor musical que tem de reconquistar a mulher. É que ela perde parte da memória em um acidente de carro – e, de repente, não faz mais ideia de quem ele é.

Assim como Querido John” (2010), o filme que fez com que todas morressem de amor pelo ator, Para Sempre é de arruinar o make! “Sim, é mais um romance, mas foi uma nova experiência. Nunca frequentei uma escola de atuação. Então, meu conhecimento vem da prática”, diz o ator. Em Querido John, queria aprender com Lasse Hallström, o diretor. Em “Para Sempre”, com Rachel McAdams”.

Já em “Ela Dança, Eu Danço” (2005), ele gostou tanto do que aprendeu que quis levar a lição para casa – se casou com Jenna Dewan, sua companheira de elenco. Eles se conheceram durante a seleção de atores para o filme. “Ela chegou supernervosa, com a roupa errada, no meio do teste de outra atriz. Mas era a pessoa perfeita para o papel”, conta Channing. Depois de algumas semanas de ensaios de dança juntos, trabalhar foi ficando mais divertido. “Quando você está completamente enrolado na outra pessoa, é fácil criar química”, brinca ele.

 

Channing Tatum: o novo queridinho de Hollywood

Channing Tatum viverá stripper em “Magic Mike”
Foto: Divulgação

Ela lava, ele cozinha
Chan (é assim que todos o chamam) e Jenna se casaram numa cerimônia para poucos convidados, em 2009, e levaram o estilo despojado da festa para o dia a dia. “Ela lava as roupas, eu cuido da cozinha e do aspirador.” Mas eles inventam uma cena de filme romântico de vez em quando. “Em um aniversário da Jenna, fiz uma surpresa: disse que a gente estava indo jantar fora, mas pedi para uma amiga arrumar as malas dela, fomos para o aeroporto e voamos para o Havaí.”

Essa tranquilidade é novidade para Chan, que teve desde cedo uma vida instável. Ainda criança, foi diagnosticado com distúrbio de déficit de atenção e um pouco de dislexia. “Não parava quieto, me machucava toda hora. Era cheio de cicatrizes, pontos, hematomas…” Quando terminou o colégio, tentou cursar faculdade, mas não aguentou nem um ano – não era bom com os estudos. Aos 18 anos, sem emprego, começou a pular de trabalho em trabalho. Foi vendedor de hipotecas, de perfumes em shopping, trabalhou em empresas de cartões de crédito e até cuidou de filhotes de cachorros. Certa vez, soube que uma boate na cidade próxima a Tampa, no estado da Flórida, onde morava, precisava de strippers. Ele chamou um amigo e foi até lá. Os dois fizeram um pacto de que aquilo duraria pouco tempo e seria só um jeito de ganhar dinheiro se divertindo. Por um ano, ele viveu o que chama de “período negro”. Chan Crawford (seu “nome de guerra”) usava drogas, ficava bêbado todas as noites e, claro, tirava a roupa e rebolava no colo das mulheres que iam à boate. “Foi uma época muito louca, mas bem importante para meu amadurecimento. Não tenho vergonha dela”, lembra ele, aos 32 anos. Prova disso é que vai estrelar um filme baseado no que viveu (seu quarto longa do ano), “Magic Mike”, no qual interpreta um stripper experiente que ensina a profissão a um iniciante.  

Channing saiu da noite por causa de um cara qualquer, que o abordou em um shopping e perguntou se ele era modelo. Foi aí que pensou em procurar uma agência. Em pouco tempo, estava em editoriais de marcas como Armani e Dolce&Gabanna. Quando cansou, mudou-se para Los Angeles e viu que podia ser ator. “Finalmente entendi o que queria e me tornei independente financeiramente, o que deixou minha família bem feliz”, brinca ele, que ainda estrela neste ano G.I. Joe 2: Retaliação, a sequência de seu primeiro sucesso de bilheteria. Chega de mudanças? Não é bem assim: “Meu próximo passo é experimentar o trabalho atrás das câmeras. Quero aprender a ser diretor também”. Que 2013 espere por Chan.

Continua após a publicidade

Publicidade