Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Elenco de Downton Abbey revela com exclusividade os bastidores do filme

A série conquistou o mundo com os dramas e reviravoltas da aristocracia inglesa e seus criados. Quatro anos depois, os Crawley retornam, desta vez no cinema

Por Marianne Morisawa Atualizado em 17 fev 2020, 12h03 - Publicado em 1 nov 2019, 08h00

A família Crawley e os empregados estão em polvorosa. O rei George V (Simon Jones) e a rainha Mary (Geraldine James) – na vida real, avós da atual rainha, Elizabeth II – vão visitar o castelo e tudo precisa estar perfeito. Downton Abbey – O Filme se passa pouco depois do último episódio da série. Estamos em 1927. Lady Mary (Michelle Dockery) assumiu a propriedade da família, Edith (Laura Carmichael) está feliz no casamento, Cora (Elizabeth McGovern) segue no equilibrio da família e Violet (Maggie Smith) continua soltando suas frases lendárias. As empregadas, como a assistente de cozinheira Daisy (Sophie McShera), a governanta Hughes (Phyllis Logan) e a camareira Anna (Joanne Froggatt), também estão de volta, garantindo ordem na mansão.

Divulgação/Divulgação

Para a equipe, retornar ao set depois de anos de ausência foi como reencontrar velhos amigos de escola. “Disse sim imediatamente, sem pestanejar. Nós todos nos damos muito bem. Então, na verdade, estávamos desesperados para fazer o filme”, conta Sophie McShera. Nas entrevistas de CLAUDIA com o elenco, deu para perceber a camaradagem.

Divulgação/Divulgação

Allen Leech, que faz Tom Branson, viúvo de uma das filhas de Lord Crawley (Hugh Bonneville), provocou seu “sogro” dizendo que suas batatas da perna são maravilhosas. Sophie McShera e Robert James-Collier, que interpreta o agora mordomo Thomas Barrow, fizeram piadas um com o outro o tempo inteiro. Jim Carter, que vive o ex-mordomo Carson, brincou com o fato de sua esposa, Imelda Staunton, estar no filme. “Não acreditei quando ela me disse que ia fazer uma aristrocrata!”, diz, fingindo-se estupefato. Michelle Dockery contou com carinho da sorte de ter uma cena muito especial e emotiva com a grande atriz Maggie Smith, que vive sua avó. “Não vou falar muito para não estragar a surpresa, mas é um dos grandes momentos da minha carreira e da minha vida. Jamais vou esquecer.”

Downton Abbey tem atuações brilhantes e personagens maravilhosos – especialmente femininos Divulgação/Divulgação

Downton Abbey tem personagens femininas fortes e que parecem muito modernas para sua época, mas nem tudo eram flores. Para Julian Fellowes, criador do drama, a história funciona justamente porque a sociedade dos anos 1920 não era estruturada para nos favorecer. “Mas a lógica nos diz que havia tantas mulheres ambiciosas e inteligentes naquele tempo como hoje, porque o ser humano não muda tanto. Então, elas precisavam encontrar maneiras inventivas de alcançar suas ambições e demonstrar sua força. Isso gera tensão”, afirma Fellowes.

Para o diretor Michael Engler, o filme tem um exemplo perfeito disso, quando Cora e a rainha conseguem resolver um problema que os homens não foram capazes de solucionar. “A cena nos lembra que, não importa em que posição estivessem, as mulheres tentavam encontrar canais e maneiras diferentes de se expressar.”

FOCUS FEATURES/Reprodução

Outro segredo de Downton Abbey é oferecer algum conforto. Os personagens se desentendem e alguns até se comportam mal, mas ninguém é bom ou mau de verdade. “É uma visão cor de rosa da vida daqueles tempos. É um escapismo, e as pessoas gostam disso”, afirma Penelope Wilton, que interpreta Isobel, a prima de classe média alta.

Um segundo filme, aliás, pode acontecer. “Adoraríamos, mas tudo depende de Julian Fellowes e do público”, diz Laura Carmichael. Não é impossível. Em menos de três semanas, o longa já tinha arrecadado 139 milhões de dólares, e boatos confirmam que a continuação pode estar a caminho. Os fãs, que incluem a ex-primeira-dama Michelle Obama e a família real inglesa (Kate Middleton até visitou o set!), podem levantar as taças – de champanhe, claro.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade