CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS

CLAUDIA e Natura reúnem mulheres em evento sobre empreendedorismo

Celebração foi promovida para comemorar o Dia da Consultora, criado pela empresa para homenagear as revendedoras da marca

Por Isabella Marinelli Atualizado em 27 set 2017, 09h35 - Publicado em 26 set 2017, 18h44

Aconteceu nesta terça-feira (26), em São Paulo, o evento “O Empreender Feminino“, promovido por CLAUDIA e Natura para celebrar o Dia da Consultora. A data foi instituída para homenagear as revendedoras dos produtos de beleza da marca e contou, neste ano, com uma celebração à altura.

A abertura dos painéis ficou por conta da empresária Ana Fontes. Fundadora da Rede Mulher Empreendedora e vencedora do Prêmio CLAUDIA, ela convidou ao palco Luiz Seabra, fundador da Natura.

Ariel Martini/CLAUDIA

O PODER FEMININO

O empresário discursou em prol do crescimento feminino, fortalecendo a ideia de que as mulheres podem e devem tomar consciência do poder que habita cada uma. “Não tenho dúvidas de que a única forma possível de mudar o mundo é através da luz do feminino”, afirmou.

Ainda em sua ode a essa força, relembrou a edição do Prêmio CLAUDIA em que a escritora brasileira Lygia Fagundes Telles foi homenageada. Seabra recordou que a autora, respondendo à pergunta essencial de Freud, bradou que “as mulheres querem um lugar ao sol” e deixou a mensagem de que lhes é de direito a sensação de pertencer e de ter uma vida melhor.

Ariel Martini/CLAUDIA

AS MULHERES BRASILEIRAS SÃO REVOLUCIONÁRIAS

Em seguida, a jornalista Ana Paula Padrão recebeu o microfone. A diretora de CLAUDIA defendeu a ideia de que estamos vivendo um momento de criação de redes. Sejam elas de suporte, de negócios, de segurança no espaço público: as mulheres estão se organizando por sororidade.

Ela aproveitou e mostrou ao público a recente pesquisa do Instituto Locomotiva que identificou que 87% das brasileiras concordam que assistimos a um cenário em que conquistamos mais direitos e exigimos mais respeito. “Hoje a gente sabe o significado de ser feminista. Percebemos que não significa ser chata ou radical, mas apoiar e estar ao lado de outras de nós”, afirmou.

Também lembrou as convidadas de que, nos últimos anos, em nosso país, a taxa de fecundidade caiu enquanto a escolaridade aumentou em um movimento de emancipação feminina jamais visto em qualquer outro lugar do mundo. “Se eu pudesse definir as brasileiras com uma palavra, ela seria revolucionária”, emocionou-se.

Ariel Martini/CLAUDIA
Continua após a publicidade

Padrão passou a palavra para Luiza Helena Trajano, fundadora do Magazine Luiza e também vencedora do Prêmio CLAUDIA. A empresária tomou o espaço relembrando sua história de vida e as dificuldades de ser mulher no mercado de trabalho.

“Antigamente, antes de tomar uma decisão, eu dizia: ‘Estou intuindo’ e ninguém entendia. Achavam bobagem. Mas eu acreditei na minha intuição e estou aqui. Hoje, quando repito esta frase, todos param e escutam minhas ideias”, lembrou.

Ela também aproveitou para deixar uma mensagem positiva em meio ao cenário difícil do país. “Não quero que vocês reclamem ou digam que um evento como este nem parece no Brasil. Vamos nos movimentar para mudar”, convidou.

Ariel Martini/CLAUDIA

O primeiro painel foi aberto e contou com a presença de Zica Assis, fundadora do Instituto Beleza Natural; Beth Viveiros, da padaria artesanal Beth Bakery; e Cacau Melo, do restaurante de entrega de comida saudável All Light.

As três relembraram as dificuldades de começar a empreender. “Meu cabelo chegou a cair com tantos testes de produtos, mas não desisti até chegar à fórmula ideal”, contou Zica. Já Beth enfrentou grandes dilemas pessoais ao abandonar sua carreira sólida no mercado da engenharia para mudar de profissão e abrir o negócio próprio. “Passei seis meses estudando meus sonhos, minhas habilidades e minhas vontades, mas chorei ao contar para minha mãe que estava desistindo da carreira“.

Ao serem questionadas pela mediadora Ana Fontes sobre as motivações para seguir em frente, Cacau Mello sintetizou a resposta de todas. “Sou a primeira a chegar e a última a sair. O que me motiva é isso: trabalhar com amor”.

Ariel Martini/CLAUDIA

O bloco seguinte recebeu três consultoras, sob o comando de Andrea Alvarez do Instituto Ethos, para comentarem suas trajetórias e como a Natura contribuiu para o crescimento pessoal de cada uma.

Ariel Martini/CLAUDIA

A manhã inspiradora não poderia ter final mais feliz. Fafá de Belém se apresentou no palco da Casa Natura Musical, que sediou o evento, e emocionou a todos com sua versão de Maria, Maria — canção que é um hino da força feminina.

Ariel Martini/CLAUDIA
Continua após a publicidade

Publicidade