7 dúvidas sobre queda de cabelo durante a gestação

Você sabia que beleza capilar é indicador de saúde e qualidade de vida da gestante e do bebê?

A médica dermatologista e tricologista Elizete Kaffer é especializada no estudo e tratamento das mais diversas causas de distúrbios capilares. Ela esclarece o que é verdade e o que é mito sobre queda de cabelo na gravidez.

1. Posso lavar os cabelos no pós-parto?

Sim. “Lavar os cabelos não tem nenhuma relação com o fluxo de sangramento, a pressão arterial ou amamentação, desde que seja em temperatura adequada e com auxílio de um assento para evitar movimentos abruptos”, explica a especialista.

2. Queda é sintoma de estresse?

Não. De acordo com a médica, a queda dos fios pode até estar relacionada com o estresse, mas nem sempre é o fator pricipal. Toda queda de cabelo, principalmente na gestante, precisa ser investigada e tratada para não mascarar algum problema de saúde, como anemia ou alterações hormonais.

3. O cabelo cresce mais durante a gestação?

Verdade. A dermatologista explica que o cabelo possui três fases de crescimento: 80% dos fios crescendo (fase anagena), 5% em repouso (catagena) e 15% a 20% caindo (telogena). “Na gestação, pela ação dos hormônios progesterona e HCG, 100% dos fios entram na fase anagena, que corresponde ao crescimento ativo do cabelo e que dura de três a seis anos, aumentando assim o crescimento, volume e densidade capilar”, esclarece.

4. Lavar os cabelos com água quente durante a gestação é prejudicial?

Verdade. Não são apenas os fios das grávidas que são frágeis a altas temperaturas. A água quente tira a proteção natural das madeixas, deixando-as mais fracas. “O excesso de quentura no banho também pode dilatar os vasos sanguíneos e resultar em queda da pressão ou mal estar”, afirma a dermatologista.

5. Pintar o cabelo faz mal para a saúde do bebê?

Sim. A médica garante que, apesar de não existirem estudos científicos específicos para gestantes, os efeitos tóxicos do uso de amônia e metais pesados são conhecidos. O contato, principalmente no couro cabeludo e região próxima do fio, pode ser tóxico e prejudicial ao bebê. “As tinturas sem amônia, xampus tonalizantes e hennas também possuem substâncias de toxicidade duvidosa. Por serem aplicadas no couro cabeludo, devem ser evitadas”, alerta a especialista.

6. Existe risco para a saúde do bebê o uso de permanentes e alisamentos?

Sim. Pelas leis brasileiras, o formaldeído não pode ser utilizado como alisante em produtos autorizados pela ANVISA. Apesar disso, o formol e o hidróxido de potássio são substâncias que podem ser encontradas nos cosméticos para alisamento.

7. Tinturas e tratamentos capilares durante a amamentação podem prejudicar a qualidade do leite?

Depende. De acordo com a médica, os alisamentos químicos e permanentes devem ser evitados durante todo o período, pois o potencial de absorção materno e contaminação do leite não é conhecido, podendo ainda acarretar sintomas respiratórios e alérgicos à mulher que amamenta. “Já a utilização de produtos naturais, em curto período de tempo, aplicados corretamente, longe da raiz e do couro cabeludo – e longe da amamentação é mais aceitável”, finaliza.