Clique e assine com até 75% de desconto
Cynthia de Almeida Por Mulher S.A. Coluna da jornalista e estudiosa do comportamento feminino Cynthia de Almeida

Como negociar o primeiro salário em uma empresa

O interesse pela política salarial do lugar demonstra que você sabe onde quer chegar

Por Cynthia de Almeida 3 Maio 2018, 11h24

Já ouvi muitas vezes o conselho de que temos que aprender a negociar melhor o nosso salário de entrada em uma empresa. Mas como eu, recém-saída da universidade, posso fazer isso sem parecer pretensiosa e sem noção?

É verdade que a negociação do primeiro salário (ou outras formas de remuneração) é fundamental e vai acabar definindo sua história de ganhos compatíveis com o valor do seu trabalho, independentemente de gênero. Mas também é muito verdade que falar é mais fácil do que fazer, principalmente para quem está começando.

Mas há algumas coisas que podem ajudar nessa conversa. Antes de mais nada, conhecer o seu mercado, pesquisar a remuneração média para o cargo pretendido, dentro e fora do lugar em que você participa de uma entrevista ou seleção.

Se o que está sendo oferecido está abaixo do mercado, eis aí uma excelente oportunidade para fazer a pergunta certa: por quê? E, conforme a resposta, entender o que você tem a ganhar ali, além do salário.

Pode ser que a experiência em uma empresa bem avaliada e concorrida compense, a princípio, um valor menor no seu contra-cheque. Mas também pode ser que não. E qualquer uma dessas perguntas (“por que vocês oferecem menos que a empresa tal?”) podem ser feitas ao longo do seu processo de seleção.

Pretender ganhar o que o mercado paga, mesmo a um jovem iniciante, não é parecer “sem noção”. Muito pelo contrário: é conhecer a sua área e saber onde deseja chegar. Mesmo que a remuneração pretendida não esteja ao alcance no momento da contratação, as perguntas e o interesse pela política salarial do lugar demonstram que você sabe onde pretende chegar.

Continua após a publicidade
Publicidade