Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

Garota de 18 anos reacende polêmica sobre botox entre os jovens

Cantora filipina divide opiniões ao anunciar ter injetado toxina botulínica antes de gravar participação em seriado

Por Redação M de Mulher - Atualizado em 20 jan 2020, 19h56 - Publicado em 11 ago 2010, 21h00
Garota de 18 anos reacende polêmica sobre botox entre os jovens

A cantora Charice Pempengco
Foto: Reprodução

A jovem cantora Charice Pempengco, de 18 anos, virou notícia nos principais jornais norte-americanos, entre eles o “New York Times”, ao anunciar em entrevista à apresentadora Oprah que havia injetado Botox no rosto antes de gravar uma participação especial no seriado “Glee”.

Charice teria optado pela toxina botulínica para “parecer fresca e jovem” no episódio, segundo declarou. Médicos e organizações sociais voltadas aos adolescentes dos EUA, porém, reprovaram a revelação, e chegaram a acusar a garota de ser um péssimo exemplo para os telespectadores da série musical.

Charice Pempengco, que virou inclusive tema para artigos científicos, fez muitos especialistas concordarem: quando o assunto é o surgimento de rugas, o Botox só pode ter algum efeito positivo para mulheres acima dos 35 anos, em média.

Continua após a publicidade

Mas o mercado de toxina botulínica para os “teens” é mais aquecido do que se imagina. Segundo a Sociedade Norte-Americana de Cirurgia Plástica, em 2009 o botox foi aplicado 12 mil vezes em crianças entre 13 e 19 anos. Não há como saber, porém, quais destas aplicações foram feitas por motivos médicos e quantas foram feitas por motivos estéticos.

As agências que regulamentam o uso da toxina botulínica no mundo liberaram o uso da substância em 2002, sendo que crianças com mais de 12 anos podem receber tratamento, desde que voltado à doenças como tiques, suor excessivo (hiperidrose), certos tipos de estrabismo, tremores nas pálpebras e no pescoço, além de dor de cabeça e enxaqueca.

Médico aplica Botox entre as sobrancelhas de paciente
Foto: Reprodução

A dermatologista Denise Steiner, membro da Sociedade Brasileira de Medicina Estética, alerta que, apesar da regulamentação do uso da toxina, é muito importante considerar alguns pontos antes de apostar nas injeções. Confira:

Continua após a publicidade

Escolha um bom profissional
A melhor maneira de evitar riscos é consultar um dermatologista ou cirurgião plástico credenciados pela Sociedade Brasileira de Medicina Estética e pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, respectivamente. Apenas eles são capazes de avaliar se a técnica é indicada ao seu caso e alertar para possíveis efeitos indesejáveis.

Custo/benefício
A indicação para o uso de botox ocorre, em geral, por volta dos 38 anos, segundo Denise Steiner. “Normalmente é a partir dessa idade que as rugas de expressão começam a se instalar. Acima dos 50 anos a eficiência dessa substância diminui sensivelmente, pois a pele é mais flácida e a relação custo/benefício cai bastante”, explica. É importante ter em mente que, quem aplica botox uma vez, não precisa obrigatoriamente reaplicá-lo. Também não procede a crença de que, se não o fizer, marcas e rugas voltam piores. A necessidade de usar a toxina novamente depende de cada pessoa e, de maneira geral, costuma acontecer a cada quatro ou cinco meses.

Considere os riscos
Eventualmente podem ocorrer sequelas temporárias, porém incômodas, como queda da pálpebra, visão dupla, alteração do sorriso e flacidez das bochechas. Elas estão ligadas à anatomia pessoal e à habilidade do médico. De acordo com Denise, em geral a aplicação do botox não traz consequências mais sérias, além de eventuais pequenos hematomas (manchas roxas) e inchaço. É bom saber que os primeiros efeitos costumam ser percebidos cerca de 48 horas após a aplicação. Em uma semana, o resultado é de 80% e, em 15 dias, de 100%.

*Com informações da AnaMaria

Publicidade