Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

Gestantes correm riscos específicos com a pandemia do coronavírus?

Os atuais estudos mostram que não há infecção entre mãe e bebê no momento do parto, mas algumas medidas preventivas são importantes

Por Colaborou: Gabriela Maraccini - Atualizado em 19 mar 2020, 11h25 - Publicado em 19 mar 2020, 11h00

Desde que as principais notícias sobre o novo coronavírus começaram a tomar conta dos noticiários afirma-se que o isolamento é a principal medida preventiva a ser tomada, principalmente para as pessoas que estão no grupo de risco (idosos, diabéticos, asmáticos e hipertensos).

Mas e as gestantes? Será que há risco de infectar os bebês que ainda não nasceram? Ainda é muito cedo para saber. Alguns estudos realizados levantam algumas hipóteses, como é o caso da pesquisa publicada na última segunda-feira (16) pela revista científica Frontiers in Pediatrics.

Nela, um grupo de pesquisadores chineses indica que grávidas com Covid-19 não transmitem o vírus aos bebês recém-nascidos. Foram analisados quatro bebês nascidos de mães infectadas no Hospital Union de Wuhan, cidade onde surgiu o coronavírus. Nenhum deles desenvolveu sintomas graves, como febre ou tosse e três deles tiveram resultado negativo para a infecção respiratória – a mãe da quarta criança não autorizou o teste.

Outros estudos também revelam que o vírus não é transmitido pelo leite materno, como afirma uma pesquisa da revista The Lancet. Também não apareceram diferenças nos sintomas de grávidas e não grávidas em um relatório envolvendo 15 mulheres, ressaltou o vice-presidente do Royal College of Obstetricians and Gynecologists, Pat O’brien, do Reino Unido, em entrevista à New Scientist.

Como, então, as gestantes devem se prevenir?

A gestação altera a imunidade da mulher, principalmente no primeiro trimestre. De acordo com Debora Rosa, ginecologista natural e obstetra, isso acontece porque o organismo age sobre o sistema imunológico para o desenvolvimento do bebê. “O feto para o corpo é um corpo estranho. Então, para evitar rejeição fetal, o organismo suprime a imunidade”, explica a CLAUDIA.

Isso significa que as grávidas devem seguir medidas preventivas mais específicas? Não necessariamente. As recomendações são as mesmas para pessoas não gestantes: respeitar a quarentena, permanecendo em casa e sair só em casos de extrema necessidade, usar álcool em gel ao tocar nas superfícies, manter a higienização das mãos com água e sabão, não levando-as ao rosto, nem à boca, e higienizar o celular com álcool.

No caso das gestantes que estão com exames de rotina marcados, como de sangue e ultrassom, é recomendado que a necessidade real do procedimento seja avaliada junto ao obstetra. “Eu, por exemplo, estou orientando, às pacientes que puderem, o adiamento dos exames, pois os hospitais são lugares por onde passam muitas pessoas e pode passar alguém contaminado”, explicou Rosa. “Cada caso e cada exame tem que ser avaliado”, completa.

Se for realmente necessária a ida ao hospital, não é recomendado que se use máscara se a gestante não tiver com sintomas.

Continua após a publicidade

Para aliviar a ansiedade

Com a pandemia do coronavírus, a mudança brusca de rotina e o excesso de informações sobre a doença é normal que a ansiedade aumente. Ainda mais se você passa por essa situação estando grávida.

Por isso, algumas dicas são essenciais para desestressar e manter a saúde mental. Procure fazer atividades dentro de casa. “Se estiver muito difícil de se acalmar, a gestante pode procurar uma meditação guiada, práticas de yoga, encontradas em vários programas online, além de exercícios de respiração, uso de óleos essenciais e tomar chá de camomila”, recomenda a ginecologista. “Mantendo nossa saúde emocional tranquila, serena e, dentro do possível, não entrando em pânico, nós melhoramos a nossa imunidade”, completa.

Tratamentos

Caso uma gestante contraia coronavírus, primeiramente, ela deve se isolar para não transmitir para outras pessoas. O tratamento com medicamentos será apenas para aliviar os sintomas, como o paracetamol para aliviar febre. Anti-inflamatórios com ibuprofeno são contraindicados para grávidas. O uso de antivirais também não é recomendado.

“A única forma de matar o vírus, hoje, é com o nosso corpo, mantendo a saúde, dando suporte para o corpo funcionar direito e eliminar o vírus”, explica Rosa. “Coma muita fruta, muito legume e verdura. Use o gengibre, a cúrcuma e o mel.”

E os recém-nascidos?

Sabemos que todos querem conhecer o mais novo membro da família, mas é preciso ter paciência e esperar. A visitação ao bebê que acabou de nascer não é recomendada.

“É para a mãe ficar com o recém-nascido, isolada. Se tiver que sair à rua por algum motivo, ao sair da maternidade, por exemplo, tem que passar álcool em gel”, orienta Rosa. “Amamentar também é importante, é o que deixa a saúde do bebê fortalecida para que, se tiver contato com o coronavírus, seu organismo responda da melhor maneira.”

O banho de sol, recomendado também ao recém-nascido, deverá ser feito dentro de casa, próximo a uma janela ou varanda.

Resiliência: como se fortalecer para enfrentar os seus problemas

Continua após a publicidade
Publicidade