Clique e assine com até 75% de desconto

Plissados, listras, rendas: as tendências de verão no último dia da SPFW

Confira os destaques do último dia de São Paulo Fashion Week que teve um dos desfiles mais aguardados da edição, o de Ronaldo Fraga

Por Da Redação Atualizado em 9 nov 2020, 10h22 - Publicado em 9 nov 2020, 10h16

Com desfiles de moda exclusivamente digitais e bastante conceituais, a 25ª edição da São Paulo Fashion Week terminou na noite de domingo, 8, com poesia, inspirações no teatro e na literatura.

Além de ser online esta edição teve, pela primeira vez,  cota de diversidade étnica-racial dos modelos. Em parceria  com o coletivo Pretos na Moda, que desde junho vem denunciando casos de racismo no segmento, todas as marcas formaram seus castings com, no mínimo, 50% de pessoas negras e/ou indígenas.

Conforto e versatilidade deram o tom das apresentações que pode ser conferida pelo público ao vivo pelo canal da São Paulo Fashion Week no Youtube. Ao longo da semana de moda também foi possível conferir que a pegada sustentável veio para ficar com várias marcar apostando em reutilização de peças e tecidos ecológicos. A democratização e a celebração da moda como poderosa ferramenta de expressão também marcaram a 25ª SPFW.

Se você perdeu as novidades  e as tendências expostas na passarela digital pode conferir um resumo do que foi essencial de todos os dias anteriores aqui:

  1. Destaques da estreia
  2. Destaques do 2º dia
  3. Destaques do 3º dia
  4. Destaques do 4º dia

Vamos aos destaques do último dia, segundo o editor de moda de CLAUDIA, Fabio Ishimoto:

 

Apartamento 03 (@apartamento03)

“Em uma apresentação bastante teatral, com trilha sonora de violinos e canhões de luz alternando entre claro e escuro, a marca mais uma vez exibiu peças de excelente execução e beleza ímpar, já tão característicos do trabalho de Luiz Claudio, diretor criativo. Inspirada em Saramago, na obra “Ensaio sobre a cegueira”, a coleção ganhou novo significado, sendo exibida da mesma forma como estavam antes de sermos atingidos pela pandemia: sem acabamentos, faltando botões. O vídeo da apresentação passou a ser um registro de um trabalho interrompido por uma nova realidade e as peças inacabadas contam essa história”, diz Fabio.

Ver essa foto no Instagram

Conforto e versatilidade são algumas das nossas buscas na nossa coleção de #Verão2021. Peças bem projetadas que resgatam nossas e vivências em texturas. O toque do crepe e a transparência do chiffon, tecidos macios que nos aconchegam ao movimento do corpo. Mostramos agora mais um pouco desse projeto fotográfico de autoretrato realizado durante o período de quarentena para a Apartamento 03 por @ luiza_ananias e dirigido remotamente por @ pauloraic . – – PH – @luiza_ananias DIREÇÃO REMOTA – @pauloraic #Apartamento03 #Verão2021

Uma publicação compartilhada por Apartamento 03 (@apartamento03) em

 ALUF @aluf___

“Belas peças com exercício de proporções e volumes, características fortes da marca, que passou a integrar o line up oficial do SPFW nesse edição. A coleção foi dividida em 3 famílias, sempre com tecidos sustentáveis, questão que sempre permeou a trajetória da Aluf: primeiro os tecidos crus com acabamentos desfiados, seguido por tons neutros com listras e brilhos e finalizando com linho vazado em camisas e calças”.

 

Ver essa foto no Instagram

A coleção TELA tem como principal intuito reforçar um de nossos pilares — a indumentária como ferramenta de expressão e comunicação para quem as veste. Como no processo criativo de uma obra ou objeto de arte, a coleção foi divida em três entradas: a primeira, composta apenas de tecidos crus, como uma tela em branco. As costuras e acabamento desfiados dão textura para os detalhes das peças, que em sua maioria, contornam o corpo com decotes, no estilo corset. Em seguida, os tons neutros evoluem e ganham detalhes de listras que se revelam em brilhos sutis e, gradualmente, vão ganhando cores que, ao serem aplicadas nas peças, brincam com suas proporções e direções ao não respeitarem um só sentido. Essa brincadeira de cores e listras fica claro no bolsa da calça Bahia. No terceiro momento, trabalhamos com a exploração de profundidades, a partir de tecidos de trama de linho vazado, resignificando peças como camisas e calças no volume característico da ALUF. Assim, a partir dos fundamentos de base, cor, proporção e profundidade, desenvolvemos os nossos objetos vestíveis de verão, com a intenção de serem utilizados como um dos recursos àqueles que procuram potencializar suas vozes, desejos e ideais através do impacto que suas imagens podem causar. • Em nosso vídeo LUGAR COMUM o foco foi o conceito, emoção e mensagem que gostaríamos de passar. Acreditamos que o vídeo nos possibilita diferentes recursos do que uma passarela física, e por isso optamos por explorar esses recursos pra além de sequência ou quantidade de looks apresentados. Para lhes apresentar a coleção com uma linguagem mais próxima, chamamos mulheres que vestem, acreditam e apoiam a ALUF, nossas queridas parceiras @babilouisee @pambarja @angelicabucci @mariaechagas @carollinalauriano . Pelo olhar delas, coleção TELA 🤍 Vídeo por @tramacreative

Continua após a publicidade

Uma publicação compartilhada por ALUF (@aluf_____) em

 Angela Brito (@angelabritobrand)

“Identidade, a coleção da estilista cabo verdense, veio falando de experiências muito pessoais vividas por ela, pela transitoriedade que teve por vários lugares, que somaram e a traduzem como indivíduo. Plissados, drapeados, assimetrias e sobreposições resultaram em looks cheios de significado, que somados a elementos como piercings e tatuagens, representam a sua ancestralidade. A estilista, que se auto declara subversiva e não conformista, por ser ‘uma mulher negra que não se conforma com o lugar que lhe era destinado’, realizou uma apresentação digna de aplausos.”

Ver essa foto no Instagram

Coleção IDENTIDADE “Até mais! Leve contigo meu panu di terá, para aquecer os momentos em que precisar se vestir de ilha, pois o algodão grudado ao corpo tem o poder de ativar as memórias do lugar de origem, da sensação morna, do vento e do sal na pele.” Ficha técnica: DIREÇÃO CRIATIVA: @angela_d_brito ASSISTENTE: @kelvinemiliano DIREÇÃO DE ARTE: @hugstex E @fonteslucas CENOGRAFIA: @fonteslucas E @hugstex ASSISTENTE DE DIREÇÃO: @jesscir DIREÇÃO DE CAPTAÇÃO: @vidafodona EDIÇÃO: @cinemajota DESIGN 3D: @mrgattax PRODUÇÃO: @rafaelapinah STYLING: @guilhermealef BEAUTY ARTIST: @valesaig ASSISTE DE BEAUTY: @victor.fattori HAIR: @tomsouzarj ASSISTENTE DE HAIR: @ EDITORIAL: @mar_______vin ASSISTENTE DE EDITORIAL: @franklindalmeida MODELOS: @eu_beacarvalho @asapgonk @dudaborges_021 @julliemello @sara_rismo @trislanemartins

Uma publicação compartilhada por ANGELA BRITO (@angelabritobrand) em

 Isaac Silva (@isaacsilvabrand)

“Para apresentar a coleção “Flores para Iemanjá”, Isaac Silva lançou mão de um artifício simples e muito significativo: exibiu as mesmas roupas vestidas por diferentes tipos físicos e gêneros, demonstrando a democratização das suas peças de forma clara. Depois da aclamada estreia da marca no evento do ano passado, a expectativa era grande e a marca não decepciona: os vestidos, túnicas e chemises vieram aprimorados e apresentação foi vibrante e positiva”

Ver essa foto no Instagram

✨🤍💙🌊 #spfw #jacirafloresparaiemanja

Uma publicação compartilhada por Isaac Silva (@isaacsilvabrand) em

 Ronaldo Fraga (@fragaronaldo)

“Um dos desfiles mais aguardados a cada edição do SPFW, dessa vez Ronaldo Fraga reviveu a estilista Zuzu Angel, falecida em 1976. A própria foi desenhada e animada em 3D e desfilou modelos desenhados por Ronaldo, em um trabalho minucioso do Studio Asteri, especializado em desenvolver modelos digitais. Foram recriados digitalmente inclusive as delicadas rendas renascença do cariri paraibano, com riqueza de detalhes. Contando parte da história de Zuzu e exibindo trajes pensados nela, o estilista mais uma vez fez uma apresentação forte e comovente.

Confira na íntegra:

Continua após a publicidade
Publicidade