Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

Emocionada, Taylor Swift desabafa sobre assédio sexual em show

A cantora afirmou que não saberia como seria sua vida caso o juiz não tivesse ido a seu favor no julgamento de 2017. Saiba mais!

Por Alice Arnoldi - Atualizado em 16 jan 2020, 10h28 - Publicado em 15 ago 2018, 14h38

Na última terça-feira (14), Taylor Swift mudou o ritmo de um dos seus shows da “Reputation Tour”, na Flórida, para falar sobre um assunto extremamente importante: assédio sexual. A cantora contou que há um ano atrás, naquele exato dia, o júri havia decidido a seu favor quando ela foi acusada de causar a demissão injusta do radialista David Mueller, quando, na verdade, ele havia a assediado sexualmente.

Em frente ao piano e muito emocionada, Taylor começou o seu desabafo falando sobre as diferentes situações que surgem quando o assunto é assédio sexual. “Eu só consigo pensar em todas as pessoas em que os outros não acreditaram, nas pessoas em que ainda não são levadas a sério e naquelas que deixam de falar por medo de não serem ouvidas”.

Logo em seguida, a cantora falou sobre uma das partes mais importantes de quando alguém consegue expor o abusador: o apoio a vítima, especialmente de amigos e familiares. “E eu só quero dizer que eu sinto muito por essas pessoas, porque eu não sei qual teria sido o rumo da minha vida se eu não tivesse sido levada a sério quando falei que algo havia acontecido comigo. Eu acho que quero dizer que nós temos um longo caminho a percorrer ainda, mas eu sou muito grata por vocês terem ficado ao meu lado em uma fase tão horrível da minha vida”.

Entenda o caso

Em 2013, Taylor Swift teve a bunda apalpada pelo DJ norte-americano David Mueller durante uma sessão de fotos Meet & Greet na rádio KYGO – lugar em que ele trabalhava. Ao trazer o caso à tona, a cantora foi acusada judicialmente, em 2015, de ser responsável pela demissão do radialista. Caso ela fosse dada como culpada, isso a custaria 3 milhões de dólares.

Continua após a publicidade

No entanto, no dia 10 de agosto de 2017, a cantora testemunhou no tribunal sobre o caso: “Foi definitivamente uma apalpada… uma apalpada muito demorada. Ele apalpou minha bunda por baixo da saia”. E para comprovar o posicionamento de Swift, a fotógrafa que estava no momento foi testemunha da situação “horrível e chocante” – como Swift definiu aquele instante – e confirmou que ela havia sido realmente abusada. 

Isso fez com que no dia 14 daquele mês, os argumentos finais do caso fossem apresentados e Taylor fosse ouvida: ela ganhou o caso. A cantora aproveitou o momento para falar sobre como ela sabia que a sua situação era uma exceção, já que ela era famosa e tinha condição financeira para levar a acusação contra Mueller em diante. “Eu reconheço o privilégio do qual eu me beneficio na vida, na sociedade e na minha capacidade de arcar com os custos de defender a mim mesma em um julgamento como este. Minha esperança é poder ajudar aquelas cujas vozes também devem ser ouvidas. Portanto, farei doações em um futuro próximo a várias organizações que ajudam vítimas de assédio sexual a se defenderem”, afirmou. 

Publicidade