Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Conheça os livros que ajudaram Norma a planejar a destruição de Léo

Descubra que livros a personagem Norma, de Insensato Coração, leu para arquitetar sua vingança contra o vilão que a enganou

Por Redação M de Mulher Atualizado em 17 jan 2020, 16h31 - Publicado em 19 Maio 2011, 21h00

A protagonista de Insensato Coração passou a ler muitos livros sobre traição, vingança e crimes
Foto: Divulgação – Rede Globo

Norma (Gloria Pires), de Insensato Coração, comeu o pão que o diabo amassou na cadeia. Teve a vida ameaçada por Araci (Cristiana Oliveira), viu-se no meio de uma rebelião, passou uma noite na solitária e cometeu seu primeiro assassinato. Mas não esqueceu a promessa que fez ao ser condenada por um crime que não cometeu: destruir Léo (Gabriel Braga Nunes).

Para ajudá-la em seu plano macabro, Norma se dedicou à leitura de livros cujas temáticas envolvem vingança, traição, crimes… Sidney Sheldon, Dostoiévski e Stendhal foram alguns dos autores a que ela recorreu.

Em abril, os livros da “biblioteca” de Norma estiveram entre os itens mais pedidos na Central de Atendimento do Telespectador da Globo (CAT). Confira:
 

Conheça os livros que ajudaram Norma a planejar a destruição de Léo
 

A ira dos anjos de Sidney Sheldon (Record)

O livro, de 1980, conta a trajetória de Jennifer, advogada que quase perde seu registro. Ela se envolve com Adam, político casado, e com o mafioso Michael. Tem um filho com o primeiro e, por esconder isso de ambos, vira alvo do ódio de Michael.
 

Capítulo 80 de Insensato Coração: CENA 27. Presídio feminino/ Cela Norma/ Interior/ Dia. Uma pequena tesoura começa a recortar a foto de Natalie e Cortez na revista. Ainda não vemos de quem é a mão. Instantes. CAM abre. É Jandira; no outro catre, Norma segura o livro A Ira dos Anjos.
 

Conheça os livros que ajudaram Norma a planejar a destruição de Léo

 

O vermelho e o negro, de Stendhal (Editora Cosac Naify)

Romance escrito em 1930, que acompanha a trajetória de um jovem pobre que deseja subir na vida de qualquer maneira.
 

Continua após a publicidade

Capítulo 92 de Insensato Coração: CENA 4. Presídio feminino/ Cela Norma/ Interior/ Noite.
Jandira: Qual é a história? Conta…
Norma: Um cara bonito, sedutor, inteligente, filho de um carpinteiro. O nome dele é Julien Sorel. É um arrivista, ele.
Jandira: (corta) Peraí, que que é arrivista?
Norma: Quem faz qualquer negócio pra subir na vida
 

Conheça os livros que ajudaram Norma a planejar a destruição de Léo

Crime e Castigo, de Dostoiévski (Editora 34) 

No livro de 1886, Raskolnikov, um estudante pobre, mata para roubar o dinheiro de uma velha sovina. Mas, apesar de o crime ter sido planejado, Raskolnikov se consome de culpa.
 

Capítulo 66 de Insensato Coração:
Pega Crime e Castigo, olha a capa.
Norma: Que livro pesado…
Jandira: É grande, sim, revista é mais leve.
Norma: Não, eu tava falando que ele é denso, forte. Quando a gente lê, aprende mais sobre a vida. Achava que sabia muita coisa, mas só agora comecei a entender melhor as pessoas…

 

Conheça os livros que ajudaram Norma a planejar a destruição de Léo


O outro lado da meia-noite, de Sidney Sheldon (Record)

Lançado em 1973, o livro fala de Noelle, jovem seduzida por um soldado que a abandona grávida. Ela faz um aborto, se prostitui e casa com um ricaço, pensando em se vingar. E consegue, até se deixar seduzir de novo por ele. Juntos, tramam a morte da esposa dele.
 

Capítulo 55 de Insensato Coração:
Norma: Peguei na biblioteca.
Jandira: Ah, sei… E do que que é?
Norma: História de vingança. Pode ser útil pra quando eu sair daqui.

Conheça os livros que ajudaram Norma a planejar a destruição de Léo


Os Irmãos Karamázov, de Dostoiévski (Editora 34) 

A história, publicada em 1880, é centrada nos irmãos Ivã, Aliéksiei e Dimítri, que se envolvem com a mesma mulher.
 

Capítulo 67 de Insensato Coração
CENA 13. Presídio feminino/ Cela Norma.
Norma: Que livro forte.
Jandira: (impressionada) Nossa, cê já leu todo esse livrão… Deve ser bom mesmo…
Norma: Não é bem assim… Sabe, eu li uma coisa que me deixou impressionada, “Se Deus não existe, tudo é permitido”

Continua após a publicidade
Publicidade