CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR R$ 14,90/MÊS

Exposições iniciam comemorações do centenário da Semana de Arte de 1922

Exposições em São Paulo e no Rio de Janeiro discutem o legado da Semana de Arte Moderna na cultura nacional

Por Isabella D'Ercole Atualizado em 17 set 2021, 18h26 - Publicado em 18 set 2021, 11h00

 

A

ebulição de movimentos artísticos nacionais contra o conservadorismo e a favor da modernidade culminou na Semana de Arte Moderna de 1922. Artistas como Anita Malfatti e Di Cavalcanti expuseram suas obras enquanto Oswald e Mário de Andrade – os grandes idealizadores do evento –, além de Graça Aranha discutiam literatura e poesia em palestras e encontros. A Semana de 22 mobilizou muitos artistas de áreas diversas e se tornou um marco na história da arte nacional.

Veja também: No Rio, exposição de Lygia Clark tem obras inéditas da artista mineira

Copa do Mundo, O Futebol, de Glauco Rodrigues
Copa do Mundo, O Futebol, de Glauco Rodrigues. Imagem/Divulgação

 

Com o centenário do evento se aproximando, instituições culturais inauguram comemorações. No Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro, a mostra Brasilidade Pós-Modernismo, com curadoria de Tereza de Arruda, reflete sobre o legado do movimento nas artes plásticas na contemporaneidade.

Continua após a publicidade

Veja também: Projeto estimula mulheres diretoras de cinema para combater desigualdade

Voluta e Cercadura, de Adriana Varejão
Voluta e Cercadura, de Adriana Varejão. Imagem/Divulgação

Entre as 51 obras reunidas, há produções de Adriana Varejão, Cildo Meireles, Tunga e outros renomados artistas brasileiros, divididas em seis eixos que representam os pontos de destaque dos questionamentos do movimento modernista – como liberdade, identidade e natureza – que se mantém atuais.

Paisagem Brasileira, de Lasar Segall.
Paisagem Brasileira, de Lasar Segall. Imagem/Divulgação

O impacto da Semana de 22 também é discutido em Moderno Onde? Moderno Quando?, no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Com curadoria de Aracy A. Amaral e Regina Teixeira de Barros, a mostra analisa a formação do movimento e seus resultados por diferentes perspectivas, menos rígidas e datadas. Há obras de artistas de todo o país a partir de 1900 e até 1937, sendo possível traçar um panorama do antes, durante e pós-Semana.

Veja também: Leitura obrigatória, Camila Sosa Villada mistura fantasia a vivências pessoais

Torso de Menina, de Eliseu d’Angelo Visconti.
Torso de Menina, de Eliseu d’Angelo Visconti. Imagem/Divulgação
Mulata, de Alfredo Volpi.
Mulata, de Alfredo Volpi. Imagem/Divulgação
Carnaval em Madureira, de Tarsila do Amaral.
Carnaval em Madureira, de Tarsila do Amaral. Imagem/Divulgação
  •  

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade