Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Estreia a Bienal Internacional de Arte de São Paulo, após 1 ano de adiamento

Completando 70 anos, a Bienal de São Paulo chega à sua 34ª edição propondo uma reflexão sobre o peso do contexto na interpretação de uma obra

Por Isabella D'Ercole Atualizado em 26 ago 2021, 16h13 - Publicado em 2 set 2021, 10h30
P

arafraseando Heráclito, ninguém vê a mesma obra de arte duas vezes. Ao menos é essa a reflexão que a Bienal de São Paulo propõe esse ano. “Nosso desejo é que as pessoas visitem os eventos da mostra e, ao fazer uma leitura de uma das obras, entendam como a interpretação não depende apenas do trabalho, mas de tudo que está ao seu redor”, explica o curador geral Jacopo Crivelli Visconti.

obra de arte de Giorgio Griffa
Nurkoszop, também de Giorgio Griffa Imagem/Divulgação

Veja também: O azeite brasileiro só cresce! Mulheres falam sobre a evolução da indústria nacional

“Quando se vive um período histórico e pessoal tão forte como o que passamos, prestamos atenção a tudo de uma forma diferente, afinal, a relação entre as coisas define como as percebemos”, completa o italiano radicado no Brasil. Ou seja, você pode até já ter visto alguma obra que estará no Pavilhão Ciccillo Matarazzo, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo, mas jamais a enxergará da mesma forma.

Desde que Jacopo foi convidado a encabeçar a Bienal, em 2018, e começou a trabalhar no projeto, seguia esse direcionamento. O que ninguém previa era, no meio do caminho, uma pandemia. A equipe da Bienal precisou rever a programação, que incluía exposições individuais além do evento principal, e levar para o digital mais discussões oferecidas ao público.

Laptop from Black Ark, de Lee ‘Scratch’ Perry
Laptop from Black Ark, de Lee ‘Scratch’ Perry Imagem/Divulgação

“Mas os pontos centrais se mantiveram intactos porque, de repente, passaram a fazer ainda mais sentido. Talvez não superemos o total de público das edições anteriores, mas, se desse pra mensurar, tenho certeza que o impacto pessoal em cada visitante será enorme. Depois de tudo que vivemos, poder voltar a uma exposição da escala da Bienal e que reverbera com tanta força, será marcante, inesquecível”, acredita Jacopo.

The Canberran Characters, de Tamara Henderson e Nell Pearson
The Canberran Characters, de Tamara Henderson e Nell Pearson Imagem/Divulgação

Com o nome Faz Escuro Mas Eu Canto, verso do poeta Thiago de Mello, a mostra, que acontece de 4 de setembro a 5 de dezembro, completa 70 anos e faz da 34ª edição um ponto de transformação. Entre os artistas, há representantes de 39 países – de todos os continentes exceto a Antártica –, a distribuição entre mulheres e homens é equilibrada, e cerca de 4% dos artistas se identificam como não-binários.

Pino Invertido [Headstand], de Mariana Caló e Francisco Queimadela
Pino Invertido [Headstand], de Mariana Caló e Francisco Queimadela Imagem/Divulgação
Veja também: Em nova série, Maria Flor vive a angústia de procurar o pai

É, até hoje, a Bienal com a maior representatividade de artistas indígenas, com 9 participantes de povos originários de diferentes partes do globo (aproximadamente 10% do total). Ainda há um podcast que relaciona o evento e o cenário cultural de cada época e, para o próximo ano, está previsto um longa-metragem documental sobre a história da Bienal, dirigido por Carlos Nader. Todas as ações podem ser acompanhadas em bienal.org.br.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade