CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS

Combate à Intolerância Religiosa: 6 livros para refletir sobre o tema

Neste 21 de janeiro, selecionamos livros que discutem e elucidam as religiões de matriz africana no Brasil

Por Paula Jacob Atualizado em 21 jan 2022, 17h24 - Publicado em 21 jan 2022, 13h25

No Brasil, o dia 21 de janeiro marca, desde 2007, o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. A discussão deve ser feita e lembrada porque o conjunto de ideologias e atitudes ofensivas a crenças não hegemônicas podem ser consideradas crimes de ódio que ferem a liberdade e a dignidade humanas. 

A data, inclusive, foi escolhida em alusão a morte da Ialorixá Gildásia dos Santos, também conhecida como Mãe Gilda, fundadora do terreiro de candomblé Ilê Axé Abassá de Ogum. Perseguida e ameaçada por praticantes de outras religiões, ela teve seu terreiro invadido, sofreu agressões físicas e verbais, que acarretaram no seu infarto fulminante. 

Para que todos possam ter conhecimento e respeitar as diferentes crenças, CLAUDIA separou 6 livros para refletir sobre a intolerância religiosa e conhecer melhor as religiões de matriz africana que estão presentes no Brasil:

Intolerância Religiosa, por Sidnei Nogueira

Parte da coleção Feminismos Plurais (Editora Jandaíra), organizada pela filósofa Djamila Ribeiro, este livro mostra o histórico da intolerância religiosa no Brasil. O babalorixá Sidnei Nogueira, mestre e doutor em Linguística pela USP, também faz um panorama sobre os momentos-chave da história da humanidade marcados pela dominação religiosa. Dentro desse contexto teórico, ele traz para discussão a intolerância religiosa. (R$ 28,89 na Amazon)

Continua após a publicidade

Intolerância Religiosa: Impactos do Neopentecostalismo no Campo Religioso Afro-brasileiro, por Vagner Gonçalves da Silva

Nesta coletânea (Edusp), o antropólogo e professor da USP reúne textos que analisam, sob diversas perspectivas, as causas e consequências dos discursos e práticas intolerantes das igrejas neopentecostais (e o crescimento delas no Brasil) em relação ao desenvolvimento religioso afro-brasileiro. Direitos civis e discriminação de gênero e orientação sexual também são abordados no livro, que faz um panorama desde a década de 1980. (R$ 36,16 na Amazon)

Umbanda, Religião Brasileira: Um Guia para Leigos e Iniciantes, por Flavia Pinto

Para quebrar o preconceito, informação. Nada melhor, então, que mergulhar neste livro (Pallas Editora) sobre o surgimento e a prática da Umbanda no País. Cruelmente perseguida desde a sua criação, a religião multicultural traz o diverso ritualismo da cultura local, de acordo com a região do Brasil em que esteja sendo realizada. Neste guia, você encontrará o necessário para sanar a curiosidade sobre alguns pontos da religião e quebrar os preconceitos internos diante de manifestações dos espíritos de Pretos Velhos, Caboclos, Exus, Malandros, Pombagiras e Crianças. (R$ 34,52 na Amazon)

Umbandas: Uma História do Brasil, por Luiz Antonio Simas

É a partir das suas próprias vivências que o historiador, mestre em História Social pela UFRJ, reconstrói a história do Brasil por meio da diversidade da umbanda – daí o título no plural –, reverberada na subjetividade dos próprios brasileiros. Aqui, ele usufrui de uma linguagem que mistura política, poética e documentário para elaborar crônicas sobre o País considerando as inúmeras simbologias de uma religião efetivamente nacional. (Civilização Brasileira, (R$ 39,92 na Amazon)

Candomblé no Brasil: Resistência Negra na Diáspora Africana, por Ronan da Silva Parreira Gaia, Ariel Teixeira Roque e Alice da Silva Vitória

Os três autores trazem em Candomblé no Brasil (Paco Editorial) um grande estudo sobre as características da religião de matriz africana. Além disso, propõem um diálogo sobre a problemática do racismo religioso no Brasil e a existência do candomblé como resistência identitária. (R$ 34,90 na Amazon)

Mitologia dos Orixás, por Reginaldo Prandi

A completa coleção de mitos da religião dos orixás, elaborada pelo sociólogo e professor emérito da USP, reúne 301 relatos sobre como são, o que fazem, o que querem e o que prometem os deuses do rico panteão africano. A reverberação dessas crenças e imagens, que prosperou principalmente no Brasil e em Cuba, mostra o quanto cada mito pode ser renovado, sem jamais se revelar completamente. Ao narrar episódios em que se envolveram deuses como Exu, Ogum, Iemanjá e Iansã, Mitologia dos Orixás (Companhia das Letras) chama a nossa atenção para sentidos vitais profundos e nos aproxima do vasto patrimônio cultural dos negros iorubás ou nagôs. A publicação ainda conta com  ilustrações do artista plástico Pedro Rafael.  (R$ 53,30 na Amazon)

Continua após a publicidade

Publicidade