Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Crônicas de Mãe Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Ana Carolina Coelho. Feminista, mãe, escritora, poeta, dançarina, plantadora de árvores, pesquisadora e professora universitária
Continua após publicidade

Mãe não é verbo intransitivo: parte 2

O “Amaternar” não é um mero acúmulo de tarefas para que provemos ao OUTRO do que somos capazes

Por Ana Carolina Coelho
6 dez 2022, 08h12

Os dias continuam corridos, como em geral o são para todas as mães. Esses dias fui questionada se minhas crônicas, que tanto incentivam as mulheres a se entenderem em suas múltiplas identidades e buscarem a plenitude de existirem, não estaria incentivando a famosa “síndrome da mulher-maravilha”, que leva ao adoecimento e aos inevitáveis sentimentos de culpa e fracasso de tantas mulheres. Pelo contrário, respondo com convicção.

O “Amaternar” não é um mero acúmulo de tarefas para que provemos ao OUTRO do que somos capazes, mas um repensar a vida pessoal e coletiva para uma divisão mais equitativa das tarefas dos cuidados das crianças e doméstico. Nesse sentido, é preciso aprender PRINCIPALMENTE e INCLUSIVE a dizer “NÃO” em certas situações que apenas nos promovem mais trabalho e cansaço. Isso não impede que nosso cotidiano continue a ser cheio de tarefas para realizar. A questão é que passamos a ver sentido e essência naquilo que fazemos. Quando estamos em uma atividade, o “Amaternar” nos permite que estejamos inteiras. É algo profundamente complicado, pois depende do coletivo começar a modificar sua maneira de perceber a existência das crianças como pessoas na sociedade, e portanto, uma responsabilidade pública e, não somente, das mães, em sua criação. 

Muitas vezes eu escrevo com as crianças à minha volta, interrompendo-me constantemente; outras, eu estou “amaternando” alguém da minha família, já que esse ano foi, aqui em casa, “temperado” de acidentes e doenças. Já ocorreu de eu estar hospitalizada, escrevendo. Em todas essas ocasiões, o amor e os cuidados eram a energia pulsante nas falas, na bagunça e nas demonstrações de afeto. 

Quando eu viajei para concorrer no “Miss Beauty International”, minha mais nova adoeceu. Acompanhei a saga: médicos, remédios, carinho de longe e de perto. Ligava e mandava mensagens e sabia que ela estava bem cuidada. Quando voltei, dormimos juntas. Ela sempre teve certeza do meu amor e ficou muito orgulhosa do prêmio que conquistei. Hoje, ela desfila pela casa com um cetro em uma mão e um livro em outro: ela sabe que é possível ser e ter vários mundos dentro dela e eu rio baixinho, quase em oração, agradecendo por ter ampliado o seu pequeno mundo.

Continua após a publicidade

Para que possamos ser o que quisermos, é preciso que nos apresentem opções, em um amplo horizonte do viver. E é exatamente isso que quero que elas vejam na mãe delas: um universo inteiro de possibilidades. Como disse na primeira parte e repito, “Mãe não se define por si só: mãe não é verbo intransitivo”. A nossa felicidade não depende de estarmos vivendo todos os dias um conto de fadas, mas de fazermos da vida um lugar que queremos estar a cada segundo. 

E agora acrescento mais uma pergunta: como é possível transformar o ambiente à sua volta para que seja um lugar do “Amaternar” e como isso te permitiria ser mais inteira e plena em sua maternagem? Me manda sua reflexão! 

Vamos conversar?

Se quiser entrar em contato comigo, Ana Carolina Coelho, mande um e-mail para: ana.cronicasdemae@gmail.com
Instagram: @anacarolinacoelho79

Continua após a publicidade

Será uma honra te conhecer! Quer conhecer as “Crônicas de Mãe”? 

Leia as anteriores em https://claudia.abril.com.br/blog/cronicas-de-mae/ e acompanhe as próximas! 

Crônicas de Mãe virou livro! Quer adquirir um exemplar? Entre em contato.

Continua após a publicidade
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

O mundo está mudando. O tempo todo.
Acompanhe por CLAUDIA e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.

Acompanhe por CLAUDIA.

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.