Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Ana Claudia Paixão

A jornalista Ana Claudia Paixão (@anaclaudia.paixao21) fala de filmes, séries e histórias de Hollywood
Continua após publicidade

“The Idol” repete a exploração feminina de Hollywood

Série estrelada por Lily-Rose Depp parece se inspirar em Britney Spears, mas repete clichês sobre os perigos da fama

Por Ana Claudia Paixão
9 jun 2023, 08h36

Ando meio rabugenta com algumas coisas, eu confesso. Há séculos sabemos como Hollywood abusa psicologicamente e sexualmente de suas estrelas, seja na música ou no cinema. A objetificação feminina foi engolida por nós por décadas, sem voz ou plataforma para dar um basta. A importância do movimento #MeToo veio para mudar e avançar a discussão, tirando a máscara de alguns conteúdos apresentados como ousados quando na verdade repetem os abusos.

Filmes como Blonde e Babilônia, ambos retratando ‘símbolos sexuais” como Marilyn Monroe e Clara Bow com atuações estupendas de Ana de Armas Margot Robbie, me incomodaram porque, paradoxalmente, as fez reviver nas telas justamente o que as obras expõem. Não é o ovo e a galinha?

Algo parecido está acontecendo com The Idol, a série que vai fazer de Lily-Rose Depp uma estrela. No primeiro episódio, decepcionou os que esperavam cenas ‘chocantes’ e ‘ousadas’, ou sequências de sexo e nudez. É verdade que a atriz que praticamente não esteve com nenhuma roupa em nenhum momento, mas fica a questão, precisava?

The Weeknd e Lily-Rose Depp em
The Weeknd e Lily-Rose Depp em “The Idol”, série da HBO (HBO/Divulgação)

Criada por Sam Levinson, o autor da premiada Euphoria, The Idol vem envolvido por dramas e reclamações de bastidores e, agora, dos críticos. A diretora Amy Seimetz saiu antes de terminar o trabalho porque estaria dando uma visão “excessivamente feminina” para a série (se estava, os homens editaram porque não parece).

Continua após a publicidade

A trama não é exatamente novidade: a estrela Jocelyn (Lily-Rose Depp), claramente inspirada em Britney Spears, está em um momento pós crise pessoal. É a maior estrela pop do momento, mas teve uma crise nervosa após algo que aconteceu com sua mãe e está ensaiando um retorno. O problema é que está cercada por uma equipe que a ‘protege’ das verdades e que nunca diz ‘não’, assim a isola da realidade e da conexão com as pessoas. Jocelyn é uma pessoa sexual e frágil, busca preencher seu vazio existencial com drogas, bebidas e festas.

Em uma de suas ‘escapadas’ na noite de Los Angeles cai no colo de um dono de uma boate, Tedros (The Weeknd), que imediatamente estabelece uma influência sobre ela – criativa, sexual e amorosa – sendo uma figura sombria e claramente oportunista. Pelo teaser do que vem a seguir, ele vai tomar o comando da vida e da carreira de Jocelyn, mas ao mesmo tempo a expondo a um mundo ainda mais perigoso do que ela possa antecipar. Como falei, é uma história contada mil vezes, seja com humor (Be Cool: O Outro Nome do Jogo é uma pérola) ou com drama (The Rose, Nasce uma Estrela, Daisy Jones and The Six, etc). Aqui tenta ser soturna.

Assim como aconteceu com Ana de Armas em Blonde, que para explicitar a crítica da exploração de um ídolo soma sequências em que a atriz alterna lágrimas, sussurros e sexo em constante crise mental, Lily-Rose passa pelo mesmo problema com Jocelyn.

Achei preocupante a cena de abertura trazer uma longa sequência com o consultor de intimidade, profissional sempre presente nos sets de filmagem para proteger as mulheres, sendo ridicularizado e literalmente trancado em um banheiro, como se estivesse atrapalhando o processo criativo.

Continua após a publicidade

Os machos tóxicos tacham os críticos de puritanos, sem reconhecer o que estão fazendo. Juro que não sou puritana, mas me ofendo quando os homens seguem surdos e cegos para o problema. No caso de The Idol, para piorar, isso tudo é embalado com um diálogo feito para chocar no qual uma mulher diz que “ter problemas de saúde mental é sexy”. Oi? A tese é que a fragilidade e a instabilidade de ídolos os tornam mais humanos para os fãs. É também uma simplificação perigosa e desrespeitosa.

The Weeknd e Lily-Rose Depp em
“The Idol” repete a exploração feminina de Hollywood (HBO/Divulgação)

Em resumo, The Idol é mais um conto sobre um universo machista e opressor que explora a alma de uma mulher em crise. Já vimos isso mil vezes antes, queria, pelo menos uma vez, ter outra narrativa. Superando esses problemas, é um veículo que destaca todo talento de Lily-Rose Depp, que vale conferir.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.