Os destaques da CASACOR Rio de Janeiro

Arquitetos indicam destaques de seus projetos, inspirados pela atmosfera cultural do entorno

Em um ambiente que respira cultura, em meio ao Museu de Arte do Rio e o Museu do Amanhã, a CASACOR Rio de Janeiro celebra sua 29ª edição.

Ela acontece no Edifício Touring, prédio histórico do antigo Touring Club do Brasil, na Praça Mauá, e apresenta até o dia 29 um total de 44 ambientes, criados por 63 profissionais. Eles trazem novidades do setor com o tema Planeta Casa, que, neste ano, permeia todas as mostras no país.

A convite de CLAUDIA, os escritórios Toca Arquitetura e Jean de Just Design de Interiores revelam o processo de criação de seus espaços e os pontos principais dos projetos. Entre as tendências, destaca-se a integração dos cômodos. Confira:

Múltiplos integrados

No projeto Além da Cozinha, de 70 metros quadrados, o arquiteto Jean de Just construiu uma caixa moderna dentro de outra antiga para valorizar o prédio histórico onde está instalada a CASACOR Rio de Janeiro.

O destaque deste ambiente está no fato de abrigar três espaços em um só. Sala de estar (na foto, em primeiro plano), cozinha (na parte central) e lavanderia (ao fundo) integram-se por meio das cores.

Os destaques da CASACOR Rio de Janeiro

 (André Nazareth/CLAUDIA)

O designer escolheu o tom mostarda e, com base nele, em uma espécie de alquimia, guiou toda a paleta, os tipos de madeira e as texturas. As áreas social e de serviço estão ligadas pela funcionalidade e incluem uma horta de temperos e até mesmo um lugarzinho dedicado aos pets.

Pavão misterioso

Em homenagem a Ney Matogrosso, a Toca Arquitetura, sob a tutela de Natalia Lemos e Paula Pupo, criou o Estúdio Elã, de 70 metros quadrados. Em cada ambiente, a história de vida do cantor é contada de maneira delicada e intensa.

Os destaques da CASACOR Rio de Janeiro

 (André Nazareth/CLAUDIA)

Para retratar a faceta menos espalhafatosa de Ney, as arquitetas optaram por uma estética simples, marcada pelo rústico, com materiais naturais e cerâmicas. A sala integrada ao quarto foi escolhida para registrar a postura do artista em relação aos tabus dos relacionamentos. O tecido terracota avermelhado do sofá e da chaise pontua a sensualidade dessa grande figura.

No processo de criação, as arquitetas descobriram que o refúgio de Ney é o mesmo de muita gente – um ambiente de aconchego, repleto de memórias afetivas.

Os destaques da CASACOR Rio de Janeiro

 (André Nazareth/CLAUDIA)

Veja também