Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Velas coloridas e castiçais despojados são febre na decoração. Vem ver!

Velas e castiçais protagonizam momentos aconchegantes, mas as cores e formatos são tantos que eles também enfeitam – só não vale ter dó de acender

Por Marina Marques Atualizado em 15 jul 2021, 14h22 - Publicado em 17 jul 2021, 10h00

Apoio para mudar

@marianuvem_

A arte foi uma grande aliada de Nathália Lessa depois que ela se tornou mãe. Na época, sentiu urgência em “ser quem queria”. No processo de se encontrar, criou a Maria Nuvem, marca paulistana que estimula quem deseja o mesmo e está na trajetória. “O poder feminino potencializa minhas peças e incentiva meu autoconhecimento. É como se as velas me ‘acendessem internamente’ ”, conta.

O trabalho de Nathália chama a atenção pelas texturas, como essas do kit de velas brancas, recomendado para quem busca esvaziar a mente. Feito à mão, o castiçal Bolas (à esquerda na foto abaixo), de cerâmica, ganha movimento com a vela Folha, de cera vegetal e pavio de algodão.

velas e castiçais divertidos e despojados

Veja também: Itens de decoração para manter a casa quentinha no inverno

Realiza, concretiza

@vela_madeinsaopaulo

Pode soar inusitado que uma metrópole como São Paulo tenha inspirado um produto que transmite calmaria, mas a capital paulista não só dá o nome da Vela Made in São Paulo como também influencia seus fundadores. “Percebi que marcas diversas homenageavam cidades, mas nunca São Paulo. Apesar de ser conhecida pelo trânsito ou pela carga de trabalho, é um destino com arquitetura ímpar, belezas inesperadas e refúgios sutis que surpreendem dia a dia”, comenta Fernanda Torres, cofundadora da marca junto com Paolo Fagá.

Feitos a partir de concreto de reaproveitamento, os castiçais têm design minimalista e recebem com elegância a vela Castiçal (à direita na foto acima), produzida à base de soja. Os fósforos da marca são feitos com madeira de reflorestamento.

velas divertidas apagadas
Livia Wu e Roberto Seba/CLAUDIA

Alma fashion

@ciancandle

Continua após a publicidade

Coloridas e alto-astral, as velas da paulistana Cian Candle (acima) surgiram após a designer de moda Marina Anjos precisar se reinventar durante a pandemia. Os modelos Zig Zag e Onda são à base de parafina e dão o charme que faltava a qualquer ambiente. O olhar apurado de Marina resultou ainda em parcerias numa linha de castiçais. O Colorful Pimples, com bolinhas, é feito pela ceramista Priscila Nakamoto (@nakaceramica), e o porta vela Concreto Marmorizado é produzido manualmente pela artista Debora Caires (@deboracairesart).

velas coloridas
Livia Wu e Roberto Seba/CLAUDIA

Banquete de elegância

@stock_casa

Apaixonada pela arte de montar a mesa para uma refeição especial, Nicolle Khouri Pugliese criou a Stock Casa, em Londrina (PR), que reúne itens de decoração inspirados no ato de receber bem. “Nos últimos tempos, aconteceu um revival das velas e castiçais”, conta a empresária. Produzidas à mão com cera refinada, as velas (acima) aparecem em modelos espirais e cônicos; as candy colors estão em alta.

Veja também: “Shower plants” – como decorar um banheiro com plantas

Muita doçura

@candlecrushbr

As criações da goiana Candle Crush dispensam castiçais e, por causa das cores, lembram doces. Fundada este ano pelas amigas Karol Mercez e Nádia Mido, a marca era um desejo antigo. “Nos inspiramos em mulheres que admiramos e damos o nome delas para as velas”, explica Karol. As velas Amanda, Lola, Cora, Frida (da esquerda para a direita na foto abaixo) e Zelda (à frente) são feitas com cera ecológica e pavio de algodão.

velas coloridas e divertidas

Zigue-zague

@alyavelas

Após perder o emprego numa fábrica de velas durante a pandemia, André Felipe se juntou à namorada, Júlia Dutra, para criar Alya Velas, em Londrina (PR). Eles oferecem itens inspirados no estilo Memphis, caracterizado pelo design geométrico, como a Ondulada e a Zigzag (acima, à direita). Tem também modelos com pinturas tie-dye e multicoloridas no portfólio. “Uma vela acesa sempre deixa o ambiente com uma sensação especial, quase poética. Mesmo sendo o nosso trabalho, quando acendemos uma vela, nos desligamos de nossas funções”, afirma o par.

Concepção visual Lorena Baroni Bósio

  • Continua após a publicidade
    Publicidade