Cuidados com os cabelos: principais danos e como combatê-los

Saiba como evitar fios quebradiços e ressecados

A saúde do cabelo tem relação com a alimentação, herança genética, estado de saúde, idade e hábitos relacionados aos cuidados diários. O envelhecimento do fio é um processo contínuo que sofre influências da genética, da idade e dos fatores ambientais. Basicamente, o fio vai ficando mais fino e também, com a cutícula desgastada, mais poroso, frágil e ressecado.

Este processo é acelerado pelas agressões da radiação ultravioleta, pelos poluentes, por procedimentos químicos, pelas doenças, pelo envelhecimento e também é mais rápido em quem tem calvície. A idade na qual se começa a perceber o envelhecimento capilar é após os 50 anos, sendo que na mulher, a menopausa também intensifica o processo.

Para prevenir, é importante cuidar da alimentação, hidratação, tratamento sistêmico da calvície, proteção em relação ao sol e evitar o fumo. Lavar com frequência para evitar a dermatite seborreica, com xampu adequado para o tipo de cabelo, além de evitar calor em excesso – secador também são fatores importantes.

Quando há queda de cabelo, é necessário checar doenças internas, como problemas na tireoide, e também regimes violentos, dieta inadequada, estresse intenso entre outros. Lembramos que regimes desequilibrados podem enfraquecer os cabelos. É importante procurar o dermatologista, que é quem cuida dos cabelos, sempre que necessário. Hoje são utilizadas drogas como a finasterida, além de suplementos como biotina, zinco, taurina entre outros. Também o minoxidil e o 5-alfa estradiol, auxiliam no tratamento da queda e do fio muito fino.

Luzes como LED, lasers de baixa potência, tratamentos com CO2 e radiofrequência mais fatores de crescimento, são utilizados como coadjuvantes no tratamento capilar. Também é importante para a saúde do fio de cabelo manter os níveis normais de ferro, ferritina e vitamina D.

Exposição solar

A exposição aos raios UV pode induzir a oxidação das moléculas de enxofre dentro da haste capilar, que são importantes para a força dos cabelos. Quando ocorre essa oxidação, os cabelos se tornam quebradiços, ressecados e ásperos.

Os cabelos descoloridos ou com luzes podem também apresentar pequenas mudanças de cor quando expostos aos raios UV. O cabelo loiro pode desenvolver um “fotodescoloramento”, deixando-os amarelados. Até mesmo os cabelos castanhos podem mudar de cor, tendem a desenvolver uma coloração avermelhada devido à oxidação dos pigmentos de melanina.

Para proteger seus cabelos dos danos causados pelos raios solares, procure usar condicionadores “leave-in” que contenham filtro solar e antioxidantes. Outra proteção são os bonés e chapéus feitos com trama fechada e também com proteção solar específica. Hoje existem roupas e chapéus com essa característica.

Dicas para combater os danos químicos

Use xampus condicionantes e condicionadores regularmente, para melhorar a aparência dos cabelos, evitando ressecamento e efeito frizz. Opte por produtos que contenham dimeticone, disponível em xampus, condicionadores, cremes de pentear e sprays. Este ingrediente diminui a eletricidade estática, aumenta o brilho e facilita o manejo dos fios.

Tente usar os séruns capilares recentemente introduzidos no mercado a base de óleos como silicone e argan, aplicando algumas gotas nas mãos e deslizando-as nos fios (não devem ser aplicados diretamente no couro cabeludo).

Evite tingir os cabelos, opte pela cor natural, quando possível. Caso seja realmente necessário pintar o cabelo, opte por tonalidades próximas à sua cor natural, usando no máximo três tons de diferença. Escurecer os cabelos ao invés de clareá-los, é sempre uma melhor opção.

Quando a pessoa pratica um processo químico no cabelo é importante hidratar sempre, pois o maior prejuízo destas práticas é o ressecamento capilar. O fio tem uma cutícula (escama) aderente em toda sua extensão que, quando rompida, pode expor o córtex e lesar a haste capilar de forma intensa e definitiva.

Leia mais: Os usos do laser para o tratamento de pele

PODCAST – Por que não sinto vontade de transar?