Os usos do laser para tratamento de pele

Saiba para que servem e quais as contraindicações dos tratamentos

A palavra laser parece ser mágica, porque ela aparece como tratamento de muitas situações dermatológicas. O termo Laser é um acrônimo para Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation, ou seja, amplificação da luz pela emissão estimulada da radiação.

Ele é um aparelho que emite energia através de luz para atingir um determinado alvo. Cada laser, através do seu comprimento de onda, terá um alvo diferente e, portanto, fará um determinado tipo de tratamento. Como exemplo, podemos citar a depilação com aparelho de laser. Nesse caso, a energia é direcionada para a melanina da raiz do pelo para destruir esse pigmento e, portanto, destruir o próprio pelo.

Sendo assim, a luz dos diferentes tipos de laser, sempre será direcionada para um alvo que pode ser a melanina (manchas), a hemoglobina (vasos) e, também a água ou colágeno (rugas e flacidez). Dessa forma temos lasers que tratam os vasos, as manchas, os pelos e, também as rugas.

Os aparelhos de laser têm sempre uma fonte de energia que pode ser um gás como o laser de CO2 ou um líquido como o laser de corante pulsado ou sólido como laser de diodo.

O comprimento de onda de cada laser determina a profundidade que ele pode atingir e qual estrutura pode tratar. Sendo assim, os parâmetros importantes em relação a todos os aparelhos de lasers são: fonte de energia, comprimento de onda e pulso que é o tempo que ele leva para liberar a energia.

Todos os lasers são eficazes quando a indicação de tratamento está correta e compatível com os parâmetros específicos. Vale lembrar que peles bronzeadas e morenas têm mais melanina e podem sofrer queimaduras quando tratadas com laser para manchas ou depilação. Isso porque a luz em vez de ir direto para a raiz do pelo ou para a mancha específica, vai espalhar o calor por toda a superfície cutânea. Alguns lasers cujo alvo é a água, como o CO2 e Erbium Yag podem ser ablativos e provocar descamação e troca da pele, como num “peeling”.

É importante, em qualquer tratamento com laser, que haja uma conversa clara e objetiva sobre o tipo de laser, o que ele vai causar de reação na pele e quais são os possíveis efeitos colaterais e tempo de recuperação. Com essa conversa franca e completa certamente os resultados serão interessantes tanto para o paciente como para o médico.

Leia mais: O envelhecimento precoce também atinge o cabelo; saiba como evitar

PODCAST – Como ter mais orgasmos: o caminho para uma vida sexual satisfatória