Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês
Publicidade
Coluna da Liliane Prata
"O pior é que ele não falava o que tinha acontecido. Eu fazia de tudo para entender, mas era uma busca solitária"
Para começo de conversa, só descobrimos como é ter um filho e que mãe nós somos depois que a criança nasce
Quando o amor de um casal flui, esse amor não banha apenas os dois, mas todos nós
O que a artista pensaria dos visitantes que escreveram em sua obra coisas como "Açaí é superestimado"?
"Pela primeira vez, eu fui uma dessas pessoas que topam largar tudo por amor"
Nas mesas bem planejadas ou improvisadas, pode até faltar docinho, mas que não falte alma
Vejo uma embalagem de xampu vazia, eu balancei essa embalagem nos meus dois últimos banhos e não saiu nada, por que eu não joguei isso fora? Preciso mudar
Lembranças, planos e todo o mar do desconhecido: estamos cercados pelo ausente, que, muitas vezes, está mais atuante em nós do que aquilo que vemos
Uma viagem para o Caribe e jantares deslumbrantes, por favor. Você também tem aí um passado novinho em folha? Quem sabe um saco sem fundo...
Não dá pra ficar lúcido o tempo todo. Quer dizer, dependendo da minha semana, vi que não consigo ficar lúcida por dez minutos inteiros
Bom, chega, agora vai. Quer dizer, precisa ir, né. Eu não posso ser tão idiota, certo?
O outro: a morada da ética. Ego: nosso bebê Trump interior que, quando contrariado pelo judiciário, começa a berrar. Fascismo: o fim do outro
O desejo é um silêncio que canta. E nenhuma sirene emite som agudo mais insuportável do que o silêncio da saudade na cama
"Um minuto de silêncio para os graus, os subtons, os decimais e tudo mais que não é certo nem terrível nem para sempre", escreve nossa editora Liliane Prata
Foi rápido me familiarizar com a caixa de areia, o miado e os encontros, às vezes suaves, às vezes súbitos, pela casa. Mas não esperava sentir aquele amor
Parece amor, mas é só um pacto de castração mútua. E que sejam infelizes até que a morte os liberte... Leia na coluna da nossa editora Liliane Prata
Para nossa editora Liliane Prata, o poder corrompe, o dinheiro corrompe, falta de dinheiro também corrompe e até o amor corrompe. Quem é vivo é corruptível
"Valeu ter batido pela segunda vez na porta daquele apartamento"
Como seria levar a vida com a seriedade com que as crianças brincam?
Publicidade