Clique e assine Claudia a partir de R$ 5,90/mês

Designers criam teste de gravidez, e o descarte pode ser no vaso sanitário

Primeira marca 100% biodegradável, a opção prevê menor impacto no meio ambiente e maior privacidade para a mulher

Por Da Redação - 4 set 2020, 13h14

Já imaginou um teste de gravidez em que o descarte pode ser feito direto no vaso sanitário sem peso na consciência e danos ao meio ambiente? Anna Couturier Simpson e Bethany Edwards, designer estadunidenses, não só pensaram, como executaram a ideia. O Lia é a primeira marca de testes de gravidez 100% biodegradáveis, possibilitando uma decomposição no solo de até dez dias.

A empresa criada pelas profissionais surgiu de um projeto acadêmico no mestrado realizado por Bethany na Universidade da Pensilvânia. “Os testes de gravidez geram mais de mil toneladas de resíduos plásticos por ano só nos Estados Unidos. Isso é plástico suficiente para ir e voltar da Estação Espacial Internacional cerca de sete vezes (… ) Os exames das nossas avós ainda existem no ambiente”, pontuou Edwards, cofundadora e executiva-chefe da Lia Diagnostics, para o Tilt.

teste de gravidez biodegradável
Em 2017, Anna Couturier Simpson (esquerda) e Bethany Edwards ganharam a a premiação da TechCrunch Disrupt como melhor startup Noam Galai/Getty Images

Outra demanda importante que o Lia atende é a privacidade na hora de realizar o teste. Para a concepção do produto, as designers aplicaram uma pesquisa com mulheres no intuito de entender o que facilitaria o momento da realização do exame em casa. Com isso, veio a ideia de que o teste fosse descartado no vaso sanitário. A alternativa é viável nos EUA e em alguns países da Europa, em que o encanamento permite esse tipo de uso, o que não é recomendado no Brasil ainda.

Diferente dos testes usuais, o Lia não é composto por plástico, mas sim por papel. Além disso, os outros materiais são biodegradáveis e o design dispensa o uso de cola, condições que possibilitam a decomposição na própria água. Agora, não se preocupe com o funcionamento, pois ele detecta normalmente o hormônio hCG na urina, caso a usuária esteja grávida.

O teste ainda só é comercializado nos Estados Unidos, mas Anna e Bethany planejam expandir as vendas para demais países, incluindo o Brasil.

O que falta para termos mais mulheres eleitas na política

Continua após a publicidade
Publicidade