Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

5 práticas simples para trazer mais espiritualidade à sua vida

Como fazer pausas para dar mais significado às experiências, diminuir a angústia e se sentir mais conectada aos seus propósitos de vida

Por Liliane Prata - Atualizado em 25 nov 2016, 10h54 - Publicado em 25 nov 2016, 06h57

“Mais vale um ateu que ama do que um crente que odeia e discrimina”, afirma Frei Betto a Lauro Henriques Jr. na trilogia Palavras de Poder – Entrevistas Instigantes com Grandes Mestres da Atualidade (Alaúde, 29,90 reais cada volume). “O amor é a raiz e o fruto de toda verdadeira religião”, prossegue. O autor assina embaixo: “Espiritualidade é agir tendo o amor como guia. E isso independe de estar em algum templo, igreja ou sinagoga. Esses espaços sagrados são importantes, claro, mas a espiritualidade legítima vai muito além: é aquela que colocamos em prática em meio às atividades mais corriqueiras do cotidiano. Seja o que você estiver fazendo, se o fizer a partir de um núcleo de amor e respeito pelo outro, essa ação fica carregada de espiritualidade”. Henriques Jr. conversou com CLAUDIA sobre formas simples de colocar essa ideia em ação.

1. Contemplação
A ideia é separar alguns minutos do dia para entrar em contato consigo mesma. Pode ser botar uma música de que você gosta muito, ler um livro, tomar um chá vendo as fotos da família, admirar a paisagem… “O importante é que seja uma atividade que envolva desacelerar. Gosto de usar o termo ‘ritualização do cotidiano’ ”, diz o autor. A prática diária de criar momentos assim é essencial para o autoconhecimento e o crescimento espiritual. “Se você está presente, qualquer lugar torna-se sagrado.” Pense no amor como base das religiões genuínas – é muito mais fácil oferecê- -lo se seu interior está sereno. Tente se lembrar de quando você foi mais amorosa com os outros: certamente estava em paz.

Leia também: “Nada acontece nem antes nem depois de seu tempo”

2. Minissessões de meditação
Não consegue se imaginar quieta, concentrada no presente, sem interagir com ninguém e sem pensar na lista de tarefas por pelo menos meia hora? “A meditação é um ótimo recurso para buscar mais paz interior e conexão com a vida, mas, se você não tem tempo ou paciência para longas sessões, um truque é fazer minipausas para respirar profundamente. Aprendi isso com o lama americano Surya Das”, conta Henriques Jr. “Se você faz 30 ou 40 séries de um minuto entre seus afazeres, terão sido 30 ou 40 minutos do dia meditando!” O autor sugere experimentá-las em momentos do cotidiano: parada no trânsito, no banho ou simplesmente quando bater a ansiedade, feche os olhos e se concentre em três respirações lentas e profundas. “Essa é uma prática poderosíssima que faz diferença na rotina.”

3. Desperte para quem você quer se tornar
“O perigo da correria é vivermos como sonâmbulos, sem despertar para o autoconhecimento”, diz Henriques Jr. “Imagine a vida passando e, no final, nem sabermos direito quem somos.” A proposta é usar um objeto que sirva de despertador para avisá-la do seu propósito atual de vida – que pode ser algo prático, como parar de fumar, ou mais amplo, como ter mais paciência com seus filhos ou tolerar melhor os próprios erros. Foque em qualquer coisa que seja importante para você e que precise lembrar ao longo do dia. “Se escrever essa meta em um post-it e colar em algum lugar, ela vai virar apenas mais uma tarefa na sua enorme lista de afazeres. Mas, se andar o dia todo segurando um objeto inusitado (um dado ou um jornal, por exemplo), sempre que pegá-lo ou que alguém perguntar por que está com aquilo na mão, você vai se lembrar de sua meta.” Outra opção: sair com meias de cores diferentes. Altere de acordo com sua vontade o objetivo a ser alcançado e varie o que servirá de despertador para que ele não vire algo comum, que passa despercebido – afinal, a ideia é justamente o contrário.

Leia também: Nunca foi tão difícil viver

4. Como Sócrates
Para o autor, um grande mal da sociedade consumista e imediatista em que vivemos é a mania de achar que não dá para ser feliz com o que temos e fazendo o que queremos. “Gosto muito da proposta que aprendi com Frei Betto, de sair de casa de vez em quando para um passeio socrático”, conta Henriques Jr. Na Grécia Antiga, o filósofo Sócrates gostava de descansar a mente enquanto percorria o centro comercial de Atenas. Quando os vendedores o assediavam, ele respondia: “Estou apenas observando quanta coisa existe de que não preciso para ser feliz”. “Que tal, às vezes, dar uma volta no shopping com esse objetivo?”, propõe Henriques Jr. “Certamente você vai sair mais leve, menos ansiosa e valorizando não as coisas que deseja, mas aquilo que já tem.”

5. Qual é o seu problema agora?
Se você é do tipo que chega em casa com a cabeça no trabalho e, no trabalho, está aflita com o filho na escola, cultive o hábito de se fazer essa pergunta toda vez que uma preocupação aparecer. “Se parar para pensar, vai perceber que na maior parte das vezes está preocupada com alguma coisa que você não pode solucionar naquele momento”, diz Henriques Jr. “Assim, vai entender que, naquele instante, não tem problema algum. Sua cabeça está cheia de angústia, mas você está trabalhando ou jantando ou simplesmente caminhando. Então, concentre-se nessas ações”, indica.

DICA DE LIVRO
O primeiro volume da trilogia Palavras de Poder chega agora pela editora Alaúde. A série é composta de entrevistas com grandes nomes da espiritualidade, como monja Coen, Susan Miller e Rubem Alves.

Leia também: Conheça o site do Dalai Lama para entendermos nossas emoções

Publicidade