CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 12,90/MÊS

Saúde íntima: o que você sabe sobre ressecamento vaginal?

Falta de hidratação pode gerar desconfortos e impacto na qualidade de vida da mulher. Hidratantes aliviam sintomas e podem fazer parte da rotina de saúde

Por Abril Branded Content Atualizado em 24 jun 2022, 12h18 - Publicado em 24 jun 2022, 11h00

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), as mulheres vivem, pelo menos, cinco anos a mais do que os homens¹. No Brasil, esse número é ainda maior. O último levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgado em 2020, apontava que a expectativa de vida, para os homens, era de 73,1 anos e, para as mulheres, de 80,1 — uma diferença de sete anos².

Além de questões genéticas, sociais e ambientais, esse fato também se dá porque, como apontam estudos do Ministérios da Saúde, as mulheres, historicamente, se cuidam muito mais do que os homens³. Além de todos os exames de rotina, que passam a ficar mais frequentes com a idade, é preciso dar a devida atenção a uma parte específica do corpo, para que siga saudável com o passar dos anos: a vagina.

Hidratação como proteção

Eliano Pellini, ginecologista e chefe do Setor de Saúde e Medicina Sexual da Faculdade de Medicina do ABC (FMABC), explica que a vagina tem um ambiente mucoso que conta com lubrificação natural como forma de proteção. “Esse é um mecanismo que a natureza criou para preservar a região da vagina, que está muito próxima ao intestino. A umidade está associada ao hormônio estradiol e toda a flora vaginal, que produz a lubrificação com um pH bem ácido. Dessa forma, então, as bactérias que vivem no intestino (que tem pH alcalino) não vivem na vagina e o contrário também é verdadeiro”.

Esse tipo de umidade tem início na puberdade e acompanha as mulheres até a maturidade. Mas, em alguns momentos, a lubrificação pode desaparecer, dando lugar ao ressecamento vaginal, uma situação que pode afetar tanto a saúde quanto a autoestima da mulher. 

Uma situação que pode atingir a todas

De acordo com o médico, a falta de lubrificação pode acontecer em alguns momentos da vida, sendo sempre atrelados à falta de produção hormonal. São eles: pós-parto, tratamento quimioterápico ou imunoterapêutico, depressão, ansiedade, alto grau de estresse e pós-menopausa.

Se não cuidado, o ressecamento pode causar rachaduras, ardência, dor no ato sexual, formação de feridas, aumento de infecções vaginais e urinárias e até mesmo a síndrome geniturinária da menopausa – antes, chamada de “atrofia vaginal”. “Muitas vezes, as pacientes chegam ao consultório sem entender a gravidade do problema, não sabem que os lábios e clitóris podem se atrofiar e, inclusive, fechar o canal vaginal, causando muito incômodo e perda da confiança, da autoestima e do prazer”, afirma o dr. Pellini.

Hidratação e autoconhecimento

Reposições hormonais e hidratantes vaginais são as principais formas utilizadas para atuar no ressecamento vaginal. “Existem terapias hormonais que devem ser analisadas caso a caso. Já hidratantes vaginais são outra opção, eles agem absorvendo líquido e gerando a lubrificação. São acessíveis e podem ser comprados sem necessidade de receita médica”, ressalta.

Vale ressaltar também a diferença entre hidratante e lubrificantes. Esse último tem como finalidade aliviar o desconforto no ato sexual e é de uso pontual. O hidratante, por sua vez, age restaurando a umidade vaginal com efeito duradouro se aplicado regularmente como parte da rotina de saúde da mulher. 

Continua após a publicidade

O dr. Eliano Pellini reforça ainda que, assim como há o cuidado com a pele, com cabelos e com o corpo de forma geral, o cuidado com o ambiente vaginal deve também fazer parte da rotina. Muitas mulheres mais jovens já entendem que a saúde vaginal é importante e que não é apenas por finalidade reprodutiva. Mas de 30% a 40% das pacientes entram na menopausa sem ao menos saber o que é o ressecamento. As mulheres, hoje, podem viver com qualidade de vida e sem desconfortos, além de poder manter a vida sexual ativa e sem sofrimento. É preciso se conhecer e conversar com o seu médico. A hidratação pode ser uma aliada e fazer toda a diferença para uma melhor qualidade de vida”, conclui.

Hyalufem

Uma das opções no mercado brasileiro, é o gel hidratante intravaginal Hyalufem, produzido pela Abbott e que age para melhorar os sintomas do ressecamento vaginal e da síndrome geniturinária da menopausa, restaurando também o pH da flora vaginal.

Os diferenciais de Hyalufem são uma fórmula exclusiva livre de parabenos (conservantes que podem causar irritação e desequilíbrio do pH vaginal), derivados de petróleo e hormônios, além da presença do ácido hialurônico, responsável pela alta hidratação nas paredes vaginais.

Hyalufem é composto por uma bisnaga com 24 gramas de gel e oito aplicadores de uso único, sendo indicada uma aplicação a cada três dias.

Hyalufem

Referências Bibliográficas:

  1. World Health Organization. World Health Statistics 2022. Disponível em: https://cdn.who.int/media/docs/default-source/gho-documents/world-health-statistic-reports/worldhealthstatistics_2022.pdf?sfvrsn=6fbb4d17_3
  2. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2019, expectativa de vida era de 76,6 anos. Disponível em: Em 2019, expectativa de vida era de 76,6 anos | Agência de Notícias (ibge.gov.br)
  3. Ministério da Saúde. Vigitel 2015. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_brasil_2015.pdf

Hyalufem® – Gel Hidratante lntravaginal. Notificação Anvisa: 80870530001 – Central de Relacionamento com o Cliente: 0800 703 1050 – Hyalufem® é uma marca licenciada pelo Herbarium Laboratório Botânico.

Material Destinado ao público em geral. BRZ2238573. Junho/2022

Abbott Center

Central de Relacionamento com o Cliente 0800 703 1050

abbottcenter@abbott.com

Continua após a publicidade

Publicidade