CLIQUE E ASSINE A PARTIR R$ 6,90/MÊS

Nem Rita Lobo, nem Bela Gil: e se cada um se alimentar como quer?

Polêmica no Twitter gera debate importante: será que estamos racionalizando demais nossas escolhas alimentares - e opinando demais sobre as dos outros?

Por Giovana Feix Atualizado em 20 jan 2020, 19h54 - Publicado em 22 fev 2017, 18h23

Na semana passada, uma série de tuítes da chef e apresentadora Rita Lobo deu o que falar na internet. Neles, a ex-modelo criticava a obsessão cada dia mais frequente a respeito dos nutrientes e dos benefícios dos alimentos que ingerimos.

“Trate seu distúrbio alimentar”, ela chegou a afirmar, levando as pessoas a se dividirem e discutirem sobre o assunto nas redes sociais, debatendo se as afirmações estavam, afinal de contas, corretas ou não. Muitos chegaram inclusive a cogitar que as “patadas” representassem indiretas a uma colega de profissão (e de emissora), Bela Gil. “É uma polêmica que não existe”, defendeu a cozinheira em entrevista à Jovem Pan. Não se trata, portanto, de picuinha entre as duas. Mas a polêmica veio em boa hora, e nos faz questionar se nossos “cardápios ideais” não deveriam vir de nós mesmos.

“Você pode comer o que quiser, a não ser que tenha alguma restrição clínica: alergia, doença renal, diabetes”, explica Paola Altheia, a nutricionista comportamental e autora do blog ‘Não Sou Exposição’. “Ao dizer isso, não estou defendendo uma ‘orgia gastronômica’: a gente tem que administrar nossa alimentação com lucidez”.

“E o que seria isso?”, você pode se perguntar. A gente explica.

View this post on Instagram

A louca do #omelete 😄😄 🍳 2 ovos 🎃 abóbora cabotiã 🌱 catalônia e minha pimentinha pra realçar todo o sabor 🌿🍅 saladinha de escarola com tomates Super saudável e delicioso #bomapetite #bariatricando #bariatricada #bypass #bypassgastrico #bemalimentada #almoço #comidadeverdade #comidasaudavel #comidanatural #lowcarb #tentandoserlowcarb #alimentacaosaudavel #delicia #comerpraviver #obrigadomeuDeus

A post shared by Paulinha (@paulinha_comerpraviver) on

Segundo André Ehrlich, psicanalista e presidente da Biblioteca Freudiana de Curitiba, a comida é uma das diversas maneiras que encontramos para nos identificar com nós mesmos e com os outros.

Em seu consultório, a nutricionista Paola procura ajudar seus pacientes a descobrir o que a maneira na qual cada um se alimenta tem a dizer sobre eles mesmos – e, acima de tudo, como o próprio corpo é, muitas vezes, capaz de nos indicar o que comer. “Geralmente as pessoas ficam reféns do cardápio, do relógio, do nutricionista… Não têm autonomia: é como andar de bicicleta com rodinha“, ela diz. “Eu quero ajudá-las a tirar a rodinha, a escolherem sua comida. Não entrego cardápio, quero que elas andem com as próprias pernas”.

View this post on Instagram

Prato super colorido e nutritivo pra uma #segundasemcarne Arroz integral, feijão, salada e Proteína de Soja Granulada com legumes. 👌😉 #nutricionista #nutricaoesportiva #nutricao #emagrecimento #emagrecer #emagrecendo #hipertrofia #workout #maromba #fitness #arrozefeijao #proteina #proteinadesoja #vegan #vegano #veganfood

A post shared by Juliana Salvador (@nutrijulianasalvador) on

Ao tuitar, Rita Lobo não foi nem contra a Bela Gil nem contra a noção de “comer saudável”. Muito pelo contrário: ela estava se referindo ao que Paola chama de ‘terrorismo alimentar’.

Continua após a publicidade

“No meu entendimento, comer errado é tomar sopa com garfo”, brinca a nutricionista. “O terrorismo nutricional causa danos no comportamento alimentar dos indivíduos, fazendo com que as pessoas fiquem aflitas, desesperadas – sintam culpa, como se comer fosse uma falha moral”.

Pode até parecer exagero, mas não é. Para muitas pessoas, a culpa é tão grande que as impede, muitas vezes, de comer – gerando jejuns intermitentes e até o abandono de grande parte dos alimentos na dieta. Quem sofre destes sintomas, aliás, pode ser vítima de um distúrbio recém “catalogado” pelo médico norte-americano Steven Bratman, a ortorexia nervosa. Trata-se de uma perigosa obsessão pela “alimentação saudável”.

“A super saúde é uma falácia e a aparência impecável também”, opina André Ehrlich. “São maneiras de negar que sempre haverá alguma falha”.

No entanto, com as dificuldades e a vontade de mudar, somente quem sofre dessas e de outras questões alimentares é capaz de fazer alguma coisa – seja no consultório de um psicanalista, psicólogo ou de um nutricionista. “E não existe ninguém que vá melhorar de vida em duas semanas, um mês: uma mudança para a vida toda tem de ser um trabalho criterioso”, pontua Paola.

https://www.instagram.com/p/BQ054nxARuy/?tagged=comidasaudavel

“Nós temos uma relação essencialmente humana com a comida”, diz André. “Existe a fome, mas, em geral, quando pensamos em comer, pensamos em comer algo específico – e esse algo específico é atravessado pelo discurso social“.

De acordo com o psicanalista, a força da tradição familiar que existia antigamente é algo que vem se perdendo ao longo dos anos – e essa mudança se faz presente também quando o assunto é comida. “Hoje, tudo que aprendemos em casa pode ser questionado e você pode se identificar com vários discursos que aparecem ao longo da vida”, explica.

View this post on Instagram

#whole60 – Dia 38! 🍹🌿🐠 🍋 "Garrei" um amor nessa refeição que nem sei explicar!!! Hoje tive que almoçar fora e não poderia ter feito escolha melhor! O suco é de melão (da fruta mesmo)… e é a maior prova de como é possível expandir os limites do nosso paladar. Eu nunca gostei de melão! Mas agora que não posso comer banana, maçã, pêra, uva, abacaxi, mamão e melancia (todas aquelas que eu comia 😂😂😂), ele virou meu curinga!! . . . #wholelove #wholeliving #whole30dornelles #whole30 #whole30lunch #whole30recipes #whole30brasil #whole30breakfast #whole30dinner #whole60day31 #whole30life #whole30food #whole30approved #whole30journey #wholethirty #descascarmaisdesembalarmenos #comerlimpo #comidadeverdade #comidasaudavel #whole30finished #whole30journey

A post shared by LUCIELI DORNELLES (@lelidornelles) on

Há quem parta das regras da família, porém, rumo a horizontes novos – e igualmente dogmáticos. André enxerga uma tendência a esse tipo de pensamento nos dias de hoje. As redes sociais, que também contribuem com dificuldades alimentares por meio do compartilhamento de fotos de refeições, podem fortalecer a noção de que há um certo e um errado sobre muitos temas, mas também sobre a comida.

Mas e se, no fim das contas, cada um se alimentar como bem entender?

Continua após a publicidade

Publicidade