Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Brasileiro é o povo que mais sente solidão, aponta ranking

Pesquisa foi realizada pelo instituto Ipsos com a população de 28 países

Por Da Redação 4 mar 2021, 14h39

Nós brasileiros somos o povo que mais se sente solitário em todo o mundo. O título nos foi atribuído após uma pesquisa realizada pelo instituto Ipsos, que ouviu 23 mil pessoas de 28 países.

Segundo o estudo, 50% das mil pessoas entrevistadas no Brasil, entre 23 de dezembro de 2020 e 8 de janeiro deste ano, disseram sentir solidão “muitas vezes”, “frequentemente” ou “sempre”. De todas as populações que participaram da pesquisa, o percentual brasileiro é o mais alto, seguido pelos turcos com 46% e indianos e sauditas, ambos com 43%.

Em comparação, os holandeses são os que menos sofrem com a solidão, uma vez que apenas 15% da população entrevistada se sente sozinha. Em seguida, temos os japoneses, com 16% e os poloneses, com 23%.

52% dos participantes da pesquisa no Brasil afirmaram que esse sentimento de solidão cresceu nos últimos seis meses. Dentre eles, 21% disseram que o último semestre deve impactar em sua saúde mental no futuro.

Leia mais sobre como vencer a solidão.

Marcos Calliari, presidente da Ipsos no Brasil, explicou a Folha de S. Paulo que o agente responsável pela sentimento é a pandemia e o longo período de quarentena, em que as pessoas ficaram muito confusas e tristes com muitas informações.

Continua após a publicidade

Outro fator que pode ser influenciado no resultado da pesquisa foi o momento em que a pesquisa foi realizada: o período de festas.

“O brasileiro é um povo bastante gregário. Gosta de estar com a família no Natal e no Ano-Novo. Como vivemos um período de distanciamento social, muita gente se sentiu sozinha nesse período”, afirmou Calliari. Marcos também alerta que a tendência é de que os índices não melhorem.

“Vivemos o pior momento da pandemia. E a tendência é que o sentimento de solidão aumente e, somado à ansiedade e tristeza, isso pode causar problemas sérios de saúde mental no futuro”, disse.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade