Clique e assine Claudia a partir de R$ 5,90/mês

As adaptações do rastreamento de câncer de mama durante a pandemia

Nas cidades que estiverem em uma fase adequada, a Sociedade Brasileira de Mastologia recomenda a mamografia em pacientes assintomáticas

Por Ana Carolina Pinheiro - Atualizado em 29 jul 2020, 17h32 - Publicado em 29 jul 2020, 09h15

Cada minuto na vida de uma pessoa com tumor interfere diretamente no resultado do seu tratamento. Sendo assim, o diagnóstico precoce se torna uma das principais armas para a recuperação do paciente oncológico. Com a mamografia, o câncer de mama pode ser descoberto bem no início, proporcionando uma diminuição drástica nos índices de mortalidade.

O fato de estarmos em uma pandemia fez com que o rastreamento de câncer de mama nos hospitais e unidades de saúde fosse interrompido, mas, com a flexibilização das medidas de isolamento social em algumas regiões do país, o exame de mamografia para mulheres assintomáticas com mais de 40 anos, idade sugerida pelas diretrizes internacionais, pode ser agendado.

Segundo a Dra. Paula Saab, membro titular da Sociedade Brasileira de Mastologia, o retorno do rastreamento, acompanhado das medidas de segurança, é necessário. “Não existe hora para isso terminar, por isso, mesmo nesse cenário, as mulheres precisam se atentar à própria saúde como um todo, até porque o câncer de mama sem tratamento é o que tem a maior letalidade. Seguindo as recomendações sanitárias, é possível fazer seu acompanhamento médico com segurança”, aponta a especialista.

A organização também explica que, com o retorno do rastreamento, as pacientes que tiveram alguma anomalia apontada nos exames de rastreamento serão contatadas para dar continuidade ao diagnóstico. De acordo com a Dra. Paula, durante a pandemia, houve uma diminuição de 70% de cirurgias e 50% de consultas. Para quem não chegou a fazer o rastreamento meses antes do isolamento, ao notar qualquer mudança na mama, é de extrema importância a procura por atendimento médico na unidade de saúde mais próxima à residência.

Outra ferramenta importante na percepção do nódulo nas mamas é o autoexame. Porém, o método não se iguala à mamografia, já que normalmente os nódulos maiores que são sentidos, enquanto que no rastreamento o tumor é encontrado em uma fase inicial. “A taxa de cobertura de mamografia no Brasil é de 24%, segundo um estudo nacional. Por isso, nesse cenário de pandemia, o autoexame tem mais importância, sim. A partir de 20 anos, ele pode ser feito todo mês, após 7 ou 8 dias da menstruação. Já para quem não menstrua, basta escolher uma data fixa para ser repetida mensalmente também”, aconselha.

Continua após a publicidade

Sobre o retorno dos tratamentos pelo Sistema Único de Saúde, a médica relata que o cenário é delicado. “Não vemos um planejamento para essa retomada e as filas estão aumentando. O ideal é que a pessoa faça o tratamento sem dificuldades, mas, se essa não for a realidade, é importante cobrar pelo serviço na unidade e procurar ajuda de ONGs que sejam referências na sua região”, alerta a profissional.

A Sociedade Brasileira de Mastologia ressalta que os exames e acompanhamentos do rastreamento devam retornar de acordo com a fase de cada cidade. “É importante ressaltar que pela heterogeneidade da situação da pandemia por Covid-19 no Brasil, não é possível adotar uma recomendação única a esse respeito. É recomendável que ao considerar o retorno das ações de rastreamento os gestores de saúde levem em conta indicadores locais”, apontam em nota.

Confira quais são as recomendações do Instituto Nacional do Câncer (INCA):

  • As consultas devem ser agendadas previamente, seguindo as indicações de periodicidade e faixa-etária;
  • Em caso de sintomas de Covid-19, é necessário reagendar a consulta;
  • Os usuários vão passar uma triagem antes do atendimento;
  • O distanciamento físico deve ser estimulado, organizado e monitorado por profissionais da unidade de saúde treinados, para evitar aglomerações nas salas de espera e nas áreas de atendimento;
  • Deve haver limitação para entrada de acompanhantes na unidade de saúde;
  • O ambiente, as superfícies e os equipamentos deverão ser desinfetados e limpos regularmente;
  • Usuários e profissionais de saúde devem usar máscara facial e lavar frequentemente as mãos;
  • Profissionais de saúde devem utilizar equipamento de proteção individual (EPI) segundo orientação específica.
  • As unidades de saúde devem agendar consultas de seguimento, evitando idas desnecessárias das usuárias às unidades de saúde para fins de marcação de novas consultas.

Conversando sobre notícias ruins com as crianças

Continua após a publicidade
Publicidade