Técnico de ginástica é banido após acusações de abusos sexuais

A sentença foi dada após série de abusos sexuais do treinador contra crianças e adolescentes entre 1999 e 2016

Fernando de Carvalho Lopes, ex-treinador da seleção brasileira masculina de ginástica artística, foi banido do esporte em julgamento do Pleno do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) da modalidade, neste domingo (31). A sentença, decidida por unanimidade na sede da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), foi dada após uma série de abusos sexuais do treinador contra crianças e adolescentes entre 1999 e 2016.

O tribunal o considerou culpado com base nos artigos 243 e 258 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva. Respectivamente, Fernando Lopes foi enquadrado por “constranger alguém, mediante violência, grave ameaça ou por qualquer outro meio” e “Assumir qualquer conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva não tipificada pelas demais regras deste Código”. A base para a deliberação foi o Código de Conduta e Estatutos da FIG (Federação Internacional de Ginástica).

Além da punição, o ex-técnico da seleção terá de pagar uma multa de R$ 1,6 milhão, que será recolhida para a federação à qual está vinculado. Entretanto, se Lopes não pagá-la, não sofrerá sanção.

+ Garota de 15 anos é encontrada morta; suspeito é motorista de van escolar

A decisão do STJD é definitiva no Brasil, ou seja, não cabe recurso, porém os advogados de algumas das vítimas de Fernando Lopes cogitam recorrer ao Tribunal Arbitral do Esporte (TAS), na Suíça. “O que os auditores fizeram foi analisar a conduta e os fatos que foram analisados”, afirmou Fernando Silva Júnior, presidente do STJD da ginástica. 

Em novembro do ano passado, houve o primeiro julgamento de Fernando Lopes, na Primeira Comissão do STJD, em Brasília. Na ocasião, o ex-técnico foi condenado a 1.440 dias de suspensão e multa de R$ 300 mil.

Esse caso transcende o esporte brasileiro, é uma decisão histórica, exemplar, que exigiu apelo às leis internacionais. Esse caso não tem valores éticos, valores morais que regem o esporte. É triste acompanhar uma história dessas, mas ficamos satisfeitos com o resultado no tribunal”, afirma Alexandre Miranda, advogado das vítimas e do escritório CSMV Advogados. 

Entenda o caso

Em abril do ano passado, reportagem feita pelo Fantástico expôs acusações de abuso sexual contra Fernando de Carvalho Lopes. As denúncias ocorrem desde 2016. Naquele ano, a menos de um mês para o início das Olimpíadas do Rio de Janeiro, o técnico, que na época  treinava o ginasta Diego Hypólito na seleção brasileira, foi desligado de suas atividades pela Confederação Brasileira de Ginástica (CBG) após o relato de um ginasta de 13 anos do Mesc sobre abusos sexuais feitos cometidos pelo treinador no jovem.

De acordo com a denúncia, feita pelos pais do menino, além do adolescente, outros meninos menores de idade que trabalhavam com Fernando também foram abusados pelo treinador. No total, foram 42 denúncias de abuso físico, moral e sexual por parte dele.

De acordo com as vítimas, Fernando frequentemente pedia para ver e tocar nos órgãos genitais dos meninos alegando que examinava o nível de desenvolvimento de hormônios a fim de estabelecer os treinos dos ginastas.

Leia mais: Tatuador é preso acusado de abusar sexualmente de clientes

+ Garota de 15 anos é encontrada morta; suspeito é motorista de van escolar

Siga CLAUDIA no Youtube