Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

Promotor alemão diz que Madeleine McCann provavelmente está morta

Um homem alemão de 43 anos, condenado por crimes de pedofilia, é o atual suspeito do caso

Por Da Redação - 4 jun 2020, 11h35

Madeleine McCann, a menina inglesa que desapareceu na Praia da Luz, em Portugal, em 2007, provavelmente está morta, apontou um promotor alemão nesta quinta-feira (4).

Na última quarta-feira (3), a polícia inglesa identificou um novo suspeito pelo homicídio e investigadores alemães do Departamento Federal de Polícia Criminal já tinham classificado o caso como um “inquérito de assassinato”.

“Nós presumimos que a garota está morta”, disse Hans Christian Wolters, o promotor do estado de Braunschweig. “O ministério público investiga um homem de 43 anos, natural da Alemanha, como suspeito por homicídio”, ele disse.

O homem suspeito, cuja identidade não foi revelada, está atualmente preso por outro crime e já foi condenado por pedofilia anteriormente. Ele morou na região do Algarve, em Portugal, entre 1995 e 2007.

Segundo a polícia alemã, o homem já roubou hotéis e apartamentos e traficou drogas. Além disso, o suspeito viajava pelo país em uma van e a polícia acredita que ele estava na área onde a menina foi vista pela última vez.

As autoridades também pedem informações sobre a van e o outro veículo do suspeito, um Jaguar. Ainda de acordo com a polícia, o suspeito transferiu a van para o nome de outra pessoa no dia seguinte ao desaparecimento de McCann.

Veículos usados pelo suspeito de homicídio de Madeleine McCann Polícia Metropolitana de Londres/Divulgação

Em comunicado, os pais de Madeleine afirmaram que a identificação de um suspeito é um acontecimento significativo na busca pela filha deles e que o caso é uma suspeita de homicídio, ainda que o corpo nunca tenha sido encontrado.

“Tudo que sempre quisemos foi encontrá-la, descobrir a verdade e levar os responsáveis à Justiça”, disseram os pais, Kate e Gerry McCann.

Todas as mulheres podem (e devem) assumir postura antirracista

Continua após a publicidade
Publicidade