Clique e assine com até 75% de desconto

Procurador é suspeito de atirar em mulher durante briga de trânsito

Segundo relatório da Polícia Militar, o procurador de Justiça apresentava sinais de embriaguez e estava com CNH vencida

Por Da Redação Atualizado em 2 out 2020, 19h56 - Publicado em 2 out 2020, 20h00

A Polícia Militar de Belo Horizonte prendeu na quinta-feira (1º) o procurador de Justiça Bertoldo Mateus de Oliveira, 59 anos, suspeito de atirar em uma mulher após uma briga de trânsito. Segundo registro da PM, ele apresentava sinais de embriaguez. A vítima, identificada como Simone Santos Vaz, de 53, não foi atingida pelos disparos e passa bem.

Segundo ela, a discussão se iniciou após Bertoldo, que estava parado em um semáforo, não arrancar quando o sinal abriu. Simone, no carro de trás com a companheira, buzinou, deu ré e passou pelo veículo do procurador, chamando sua atenção. Bertoldo então iniciou uma perseguição até a casa da vítima, enquanto a ofendia por nomes como “sapatona” e “puta”.

Estacionando diante do prédio onde Simone mora, ambos desceram de seus respectivos veículos e iniciaram a briga. Após tentar bater nela, o procurador disse que iria matá-la, foi até o carro e sacou um revólver calibre 38.

“A vítima passou a pedir socorro, pessoas chegaram ao local para ver os fatos; a companheira da vítima chegou a ajoelhar e implorar para que ele não fizesse nada; o autor neste momento fingiu que iria embora”, relata um trecho do boletim de ocorrência. Logo em seguida porém, o procurador disparou contra Simone, que conseguiu se esconder atrás de uma pilastra da garagem, evitando ser atingida.

View this post on Instagram

Um procurador de Justiça foi preso pela Polícia Militar (PM) suspeito de atirar em uma mulher no fim da noite dessa quinta-feira (1º), no bairro Santo Antônio, lado Centro-Sul de Belo Horizonte, após uma discussão de trânsito. Conforme a PM, o procurador estava com sintomas de embriaguez. A reportagem da Itatiaia teve acesso a um vídeo que mostra parte da confusão e o momento do disparo. ⠀ Segundo a vitima, de 53 anos, tudo começou com uma discussão de trânsito na rua Guaicuí, esquina com Prudente de Morais. O procurador Bertoldo Mateus de Oliveira, de 59 anos, parou no semáforo e não arrancou o Chevrolet Tracker quando o sinal abriu. A mulher que estava atrás buzinou, ele não arrancou, ela deu ré, passou pelo veículo e xingou o motorista. O procurador então a perseguiu até a casa da vitima, na rua Santo Antônio do Monte, a chamando de sapatão. ⠀ Os carros pararam em frente ao prédio, ambos desceram discutiram e o procurador disse que iria mata-la, foi até o veículo e pegou um revólver calibre 38. Ainda segundo a vítima, Bertoldo chegou atirar na direção dela, mas não acertou, porque ela escondeu-se em uma pilastra. ⠀ Clique em itatiaia.com.br e confira a reportagem completa com @oswaldodiniz

Continua após a publicidade

A post shared by Rádio Itatiaia (@itatiaiaoficial) on

Ele também tentou fugir do local, mas foi perseguido pela polícia. Bertoldo resistiu à abordagem, xingou os oficiais e se recusou a apresentar um documento de identificação. Uma pesquisa no Departamento de Trânsito revelou que a habilitação do homem está vencida desde janeiro.

O relatório policial aponta que ele demonstrava sintomas de embriaguez, como fala desconexa, olhos avermelhados, andar cambaleante e cheiro de bebida, porém o procurador se negou a fazer um teste do bafômetro. No carro dele foi encontrada uma arma com munição já usada.

Em sua versão, Bertoldo declarou que ao sair de um restaurante, foi chamado por Simone de “idoso e filho da puta” e que teria ido atrás dela para saber por que foi xingado. Também disse que não atirou de forma voluntária contra ela e que o para-brisa de seu carro teria recebido um tiro.

Conduzido à procuradoria do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), o procurador foi autuado por desacato, resistência, condução de veículo sob influência de álcool e tentativa de homicídio. Ele pagou fiança e está em casa. O caso está sendo investigado pelo MP.

  • O que falta para termos mais mulheres eleitas na política

    Continua após a publicidade
    Publicidade