Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Piloto agride funcionária do aeroporto de Cumbica

Segundo testemunhas, a mulher pisou sem querer no pé dele, que a agarrou pelo pescoço

Por Pamela Malva 8 mar 2018, 14h32

Uma funcionária da American Airlines foi agredida por um piloto na quarta-feira (7). O voo foi cancelado e o piloto, que é americano, teve seu passaporte confiscado, enquanto a funcionária teve de recorrer à Polícia Federal.

De acordo como o relatório da PF, para que a aeronave pudesse decolar do Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, o copiloto da companhia estava checando o degrau do finger. Enquanto a funcionária, que é agente de operações em terra, afirmava que estava tudo certo, o piloto dizia que o degrau estava em uma posição incorreta. Em seguida, de forma exaltada, o piloto foi falar com a agente.

Leia mais: Por dia, 10.800 mulheres são vítimas de agressão no Brasil

De acordo com testemunhas, a funcionária sem querer pisou no pé do piloto, que exigiu que ela não encostasse nele. Quando recebeu um resposta da agente, dizendo que ela não havia tocado nele, ele a empurrou e a pegou pelo pescoço. A agressão foi apartada por um funcionário da manutenção do aeroporto.

Em declaração para a PF, em sua defesa, o piloto disse que a agente tinha tentado lhe dar um soco. No entanto, o copiloto do avião não confirma essa história. Em nota, a American Airlines afirmou que “A companhia está cooperando com as autoridades encarregadas do caso e fornecendo apoio aos membros da equipe”.

Sobre o voo, que sairia de São Paulo (GRU) para Miami (MIA), a companhia ainda disse ter ressarcido todos os passageiros, colocados em outro voo e recebido a assistência necessária. Um termo circunstanciado por agressão foi elaborado e o piloto vai comparecer ao juizado especial criminal estadual de Guarulhos.

Ainda em nota oficial, a companhia disse “A American Airlines não comenta assuntos relacionados aos seus funcionários, mas estamos levando este incidente de forma extremamente séria. Esta é uma investigação legal e estamos cooperando plenamente com as autoridades”.

Veja também: Violência doméstica contra a mulher: quando você pode – e deve – acionar a justiça

+Ter ambição não é feio e também é coisa de mulher, diz Ana Paula Padrão em abertura do Fórum CLAUDIA

Continua após a publicidade
Publicidade