Motorista de Uber se recusa a levar criança com Síndrome de Down

O caso, que aconteceu na segunda-feira (10) em São Paulo, foi relatado pela mãe da criança no Facebook

Uma mãe acusou um motorista de Uber de discriminação na última segunda-feira (10), na cidade de São Paulo. Segundo Luana Watanabe, de 33 anos, o homem se recusou a realizar a corrida depois de ver que ela estava acompanhada pela filha com Síndrome de Down.

O caso foi relatado pela mãe em seu perfil no Facebook. Ela havia solicitado um veículo para levar a filha Ana Clara, de 7 anos, até a escola, no Cambuci, região central da capital paulista.

“Eis que o motorista chega, eu ando em direção ao carro, ele olha para Ana Clara e diz: ‘desculpa, mas não vou levar essa criança’, isso com o carro já descendo a rua e simplesmente foi embora”, escreveu ela na publicação.

Além disso, Luana ainda disse que se sentiu constrangida, com raiva, tristeza e medo de “serem rejeitadas de novo”. A princípio, Luana denunciou o caso à Uber, que lamentou o ocorrido e explicou que os motoristas devem seguir um código de conduta, que determina atendimento cordial e respeitoso.

Em seguida, Luana decidiu registrar um boletim de ocorrência, mas afirmou ter desistido por ter sido tratada de maneira hostil na delegacia e por não ter provas para apresentar.

Ao G1, a mãe informou que já havia enfrentado situações similares com motoristas de aplicativo, mas que, diferentemente desse caso recente, nunca haviam verbalizado o preconceito.

“Já aconteceu de um motorista olhar e se recusar a nos levar, mas o diferencial foi que ele olhou e falou ‘não vou levar essa criança’. Não dá para aceitar”, contou. Ela ainda afirmou que não pretende tomar outras providências sobre o caso e nem levá-lo à Justiça por conta da ausência de provas, mas que espera mais empatia das pessoas.

Posicionamento da Uber

À CLAUDIA, a Uber informou que lamenta o ocorrido e que o motorista foi desativado do aplicativo assim que a denúncia foi recebida. Confira a nota na íntegra:

“A Uber lamenta que essa situação tenha acontecido dentro da nossa plataforma. Levamos esse tipo de denúncia muito a sério e temos uma política de tolerância zero a qualquer forma de discriminação em viagens pelo aplicativo. Entramos em contato com a usuária e desativamos o motorista do aplicativo assim que recebemos a denúncia. A Uber defende o respeito à diversidade e reafirma o seu compromisso de promover o respeito, igualdade e inclusão para todas as pessoas que utilizam o nosso app.”

Além disso, a Uber ressalta que não foi cobrado o valor da viagem solicitada e nem da próxima corrida, que foi pedida após o episódio de discriminação. “Nada compensa uma situação dessa, mas fizemos o que estava ao nosso alcance”, afirma a assessoria de imprensa.

Leia também: Kézia viralizou com homenagem ao namorado que assumiu seu bebê com Down

+ Mãe decide doar órgãos da filha e posta vídeo emocionante

Vote e escolha as vencedoras do Prêmio CLAUDIA