Clique e assine Claudia a partir de R$ 5,90/mês

Após entregar filha para adoção, mãe descobre tragédia com a jovem

Cathy Terkanian engravidou na adolescência e, por isso, precisou colocar a filha para adoção

Por Da Redação - Atualizado em 30 set 2020, 19h22 - Publicado em 30 set 2020, 18h06

A norte-americana Cathy Terkanian tinha pouco mais de 17 anos quando engravidou, nos anos 70. Como não poderia cuidar da filha, levou-a para um centro de adoção logo após o nascimento. Após a entrega, a enfermeira sempre pensava em procurar a filha, mas resolveu esperar até que ela tivesse 15 anos para iniciar as buscas. “Não queria confundi-la, sempre fantasiei que ela tinha uma vida maravilhosa. Por isso, resolvi não procurá-la quando criança”, contou Cathy à People.

Ela só conseguiu mais informações sobre a filha em 2010, mas, infelizmente, não pôde encontrar Alexis – nome de batismo da menina. O serviço social alertou Cathy de que a menina, que não se chamava mais Alexis, mas não teve o nome revelado, estava desaparecida desde 1989, quando tinha 14 anos.

Como também não conseguiu descobrir os nomes dos pais adotivos da menina, Cathy e seu marido Edward começaram uma extensa busca pelo caso na internet. Logo conseguiram descobrir seu nome, Aundria Bowman, e mais detalhes do caso no site da polícia de Michigan. “Foi um choque, mas a partir daí começamos a ir cada vez mais fundo nas buscas”, disse a enfermeira.

Aundria Bowman na época do desaparecimento, com 14 anos Facebook/Reprodução

Cathy e Edward descobriram que Aundria contou para algumas amigas da escola que havia sido abusada pelo pai, Dennis Bowman, que foi declarado culpado por um crime de assédio sexual contra uma menina de 19 anos. “Quando descobri isso, tinha certeza que ele era o culpado. Meu instinto dizia isso”, afirmou a mãe. Determinada a descobrir o que havia acontecido com a filha, contratou um detetive particular e imprimiu cartazes que distribuiu por toda a cidade.

O caso foi finalmente solucionado em novembro de 2019, mais de 30 anos depois do desaparecimento. Infelizmente o instinto de Cathy estava certo e o pai adotivo de Aundria, Dennis, confessou ter matado a filha. Ele, que é um oficial da marinha aposentado, assumiu que bateu na menina durante uma briga e, por isso, ela caiu da escada e quebrou o pescoço.

Em fevereiro, as autoridades encontraram os restos do corpo de Aundria no quintal de Dennis e ele agora responde pelos crimes de homicídio, abuso de menor e ocultação de cadáver. Em junho, ele foi condenado à prisão perpétua por estuprar e assassinar uma mulher de 25 anos também nos anos 80.

Dennis Bowman responde pelo assassinato da filha adotiva Facebook/Reprodução

Agora, Cathy quer anular a adoção da filha biológica e mudar seu nome de volta para Alexis. “Ela será cremada e as cinzas ficarão na minha casa. Ela é minha filha e seu lugar é perto de mim. Assim, quando eu morrer e for enterrada, ela será enterrada comigo”, disse.

O que falta para termos mais mulheres eleitas na política

 

Continua após a publicidade
Publicidade