Laudo aponta que assassino disparou 13 vezes em Rafael e nos pais dele

O jovem ator foi morto com sete tiros; a mãe foi acertada duas vezes e o pai quatro

Laudo necroscópico aponta que Paulo Cupertino Matias, de 48 anos, disparou 13 tiros em Rafael Miguel e nos pais dele. Eles foram mortos no domingo (8) na zona sul de São Paulo.

A maioria dos tiros atingiu Rafael Miguel. Foram sete no total, um na cabeça, um no peito, três nas costelas e dois no braço esquerdo.

O pai do rapaz, João Alcisio, foi atingido quatro vezes (um acertou o peito, dois o braço esquerdo e um o braço direito). A mãe, Miriam Miguel, foi atingida no peito e no ombro.

Segundo a análise, a quantidade de tiros indica que Paulo usou uma pistola. Ele fugiu após matar as três vítimas e ainda está foragido.

A polícia diz que já tem pistas que podem levar até Paulo. Ele possui tatuagens nos antebraços com a frase “marginal… sempre marginal”

Entenda o caso

O ator Rafael Miguel, que interpretou o Paçoca de “Chiquititas“, morreu no domingo (8) aos 22 anos, assassinado juntamente com seus pais.

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública, Rafael, acompanhado dos pais João Alcisio Miguel, de 52 anos, e Miriam Selma Miguel, de 50, estava dando uma carona a Isabela, de 18 anos, até sua casa. Ao chegarem, Paulo se aproximou e matou os três.

Em depoimento na segunda-feira (10), Isabela contou que o pai tinha uma arma em casa há anos. Ela também afirmou que ele descobriu seu namoro com Rafael através de mensagens trocadas entre o casal em 2018 e proibiu o relacionamento, alegando que o ator “não era uma pessoa de bem”.

A mãe de Rafael abraçou o filho caído no chão, para tentar protegê-lo, e então também foi atingida e morta. Antes de fugir, o acusado, Paulo Cupertino, também matou o pai de Rafael.

O atirador está foragido desde o domingo, mas a polícia localizou na última terça (11) o carro que teria sido usado na fuga. O veículo é clonado e foi encontrado a cerca de 21 quilômetros do local do crime