Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Direitos humanos ficaram ainda mais enfraquecidos com a pandemia

Mulheres, negros, indígenas, quilombolas, LGBTQIA+, refugiados são os que mais sofreram, segundo Anistia Internacional

Por Ligea Paixão Atualizado em 7 abr 2021, 20h12 - Publicado em 8 abr 2021, 10h00

As mulheres estão entre os grupos sociais que mais sofreram violação dos direitos humanos no ano de 2020 no Brasil. De acordo com o informe 2020/21 da Anistia Internacional: o estado dos Direitos Humanos no Mundo, o país está entre os primeiros países no ranking que classifica os mesmos por número de mortos. Em um âmbito geral, houve um aumento expressivo de casos envolvendo a violação dos direitos universais, resultado da pandemia da Covid-19.

O isolamento social, visto como a medida mais efetiva contra a disseminação do coronavírus, contribuiu para o aumento nos números de violência doméstica e feminicídio, que cresceu em 14 dos 26 estado brasileiros, que se apoiam em medidas inadequadas de proteção às mulheres e meninas.

“Existe uma pandemia dentro da crise da Covid-19, chamada violência de gênero”, disse Jurema Werneck, diretora-executiva da Anistia Internacional Brasil.

“A violência de gênero aumentou em todo o mundo e as mulheres são maioria dentre os trabalhadores dos serviços essenciais: possuem maior risco de adoecimento e sobrecarga com trabalho doméstico não remunerado. As autoridades brasileiras precisam agir urgentemente”, aponta a diretora.

A pequisa também mostra que, além das mulheres, grupos sociais com histórico de descriminação, tal como negros, indígenas, quilombolas, LGBTQIA+, refugiados e pessoas que já vivem em estado de vulnerabilidade e pobreza, foram os mais suscetíveis aos diversos tipos de violações.

No que diz respeito à população LGBTQIA+, de todos os países da América, o Brasil foi o que apresentou o maior índice de morte de pessoas transgêneras.

Continua após a publicidade

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a região das Américas é a mais afetada pela pandemia de Covid-19, com mais de 55 milhões de casos confirmados e 1,3 milhão de óbitos registrados até 29 de março de 2021. Somente no Brasil são mais de 335 mil mortes computadas.

“Vimos em 2020, o Brasil e a região das Américas assolados por desigualdade, discriminação, repressão e intensificação de violações de direitos humanos”, disse Jurema.

A crise sanitária e a má administração do país durante a pandemia agravaram a desigualdade social. Hoje, mais de 27 milhões de pessoas passaram a viver na extrema pobreza, com menos de R$246 ao mês, resultado das medidas governamentais que, em muitos casos, enfraqueceram os direitos sociais, econômicos e culturais dos que vivem em situações mais precárias.

“É urgente assegurar que [essas pessoas] tenham oportunidades iguais de viver em segurança e desfrutar seus direitos humanos”, aponta Jurema.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade