Clique e assine com até 75% de desconto

“Acho uma loucura”, diz Carol Solberg sobre punição por “Fora Bolsonaro”

A jogadora de vôlei foi advertida após ter declarado "Fora, Bolsonaro" em entrevista ao vivo e falou sobre o ocorrido em programa de TV

Por Da Redação Atualizado em 20 out 2020, 15h54 - Publicado em 20 out 2020, 16h30

Carol Solberg, a jogadora de vôlei que foi advertida pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) após ter declarado “Fora, Bolsonaro!” em entrevista ao vivo, disse que se sentiu censurada com o ocorrido, durante entrevista a Fábio Porchat, no Papo de Segunda, da GNT.

Devido sua declaração, feita logo após conquistar a medalha de bronze no Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia, Carol poderia ter recebido uma penalidade de 100 reais a 100 mil reais e uma suspensão de até seis semanas. No entanto, depois de ter recebido apenas um voto a favor da punição, a atleta recebeu apenas uma advertência, além da multa.

“Eu acho uma loucura alguém dizer o que posso e o que eu não posso. É isso, vou recorrer, não concordo com essa decisão. Acho que me sinto no direito quando tô dando uma entrevista, é o momento onde eu tenho voz. Eu acho que tenho que poder falar o que eu quiser, sim”, declarou a jogadora a Porchat.

Carol ainda afirmou que não usou a entrevista como palanque. “Não é política, são questões de direitos humanos, vai para outro lugar. É uma indignação, eu sou uma cidadã, como outro qualquer. Quero estar numa entrevista e me sentir à vontade, falar o que eu quiser, o que eu acredito”, declarou.

A atleta também opinou sobre o papel que o atleta exerce ao se pronunciar sobre determinados assuntos. “Eu acho curioso que a sociedade fala muito que os atletas são exemplo para as crianças, para a nova geração e eu fico me perguntando que exemplo é esse de uma pessoa totalmente alienada, que não fala nada sobre o que pensa, que não tá nem aí com o que está acontecendo no mundo?”, questionou Carol. “Ou a gente muda esse nosso texto de que o atleta é exemplo ou o atleta não é exemplo para nada. Se o atleta não pode falar, ele não pode ser exemplo para nada”, completa.

Continua após a publicidade

Ao finalizar a entrevista, Porchat provocou uma brincadeira e questionou Carol sobre o que ele precisaria falar se tivesse um filho chamado Bolsonaro dentro de casa e ele quisesse que o garoto saísse para o lado de fora. Carol, então, respondeu: “Fora, Bolsonaro”.

  • O que falta para termos mais mulheres eleitas na política

    Continua após a publicidade
    Publicidade