Clique e Assine CLAUDIA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Agressões virtuais contra mulheres serão investigadas pela Polícia Federal

PF passará a investigar crimes na internet que façam apologia à misoginia (ódio ou aversão à mulheres)

Por Anna Laura Moura Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
13 abr 2018, 19h57

Mulheres que são agredidas virtualmente poderão fazer sua própria denúncia na Polícia Federal. Infelizmente, é muito comum encontrarmos casos de agressão virtual, desde um xingamento até um caso de revenge porn (fotos íntimas divulgadas propositalmente). 

Por exemplo, uma mulher compartilhou um post no Facebook sobre um protesto feminista, um homem escreveu: “Falta de p****! Protesto altamente político” como justificativa para a mobilização feminina.

Também há casos de perseguição, como esse depoimento de uma fonte para o Jornal Nacional. “Alcançou minha família, meus filhos, meus amigos ao redor. Eu precisei me mudar, mudar minhas redes sociais, mudar telefone, mudar endereço, parar de trabalhar.”

O problema é fazer denúncia e encontrar o criminoso quando ele está sendo protegido pelo anonimato do computador. A notícia boa é que a vítima poderá contar com a ajuda da Polícia Federal, que também investigará crimes com conteúdo misógino (discursos que propagam ódio ou aversão às mulheres) na internet.

“Nós teremos aí mais efetividade prática nas ordens judiciais e teremos também aqui a inclusão como crime daquele que descumprir essas ordens judiciais. Ao mesmo tempo, temos também uma investigação mais contundente, mais profunda, mais técnica feita pela Polícia Federal quando, a partir do uso da internet, forem divulgadas mensagens de ódio contra as mulheres”, disse Renato Opice Blum, coordenador do curso de direito digital do Insper.

Continua após a publicidade

COMO SURGIU A LEI

Foi inspirada na ativista Lola Aronovich, professora da Universidade Federal do Ceará, que desde 2011 vem sofrendo constantes ameaças na internet por ter seus princípios defensores de mulheres. “Eu ainda tenho esperança que a polícia faça alguma coisa, que esses criminosos sejam punidos e que a gente tenha um pouco de, afinal, de paz, que é nosso direito a gente poder ter voz na internet”, conta.

Marina Ganzarolli criou com outras juristas uma rede proteção que impede essa violência. “A gente precisa que o estado brasileiro dê uma resposta eficaz a todas as formas de violência contra a mulher para que a gente mude a realidade dessas estatísticas de violência que são ainda tão alarmantes”, pontua Marina.

Mais lidas: Kate e Meghan já eram milionárias antes da realeza

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de 14,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.