Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

A viúva de Marielle

Vereadora assassinada passou últimos anos ao lado da arquiteta Monica Tereza Benício, “minha companheira de vida e amor, a primeira mulher que beijei"

Por Lia Rizzo - Atualizado em 25 mar 2018, 10h00 - Publicado em 17 mar 2018, 20h27

Ativista das causas de muitas minorias, Marielle Franco conhecia bem as dores e preconceitos de cada uma delas. Era mulher, negra, da favela. E lésbica. Seus últimos anos foram vividos ao lado da arquiteta Monica Tereza Benício, a quem considerava “minha companheira de vida e amor, a primeira mulher que beijei”.

Leia mais: Monica Benicio, a história do grande amor de Marielle Franco

View this post on Instagram

De Cora Coralina para nós "Enfeite a árvore da vida com guirlandas de gratidão! Coloque no coração laços coloridos Decore seu olhar com luzes brilhantes estendendo as cores em seu semblante. Em sua lista de presentes embrulhe amor, carinho, ternura, reconciliação, perdão! Tem presente de montão no estoque do nosso coração e não custa um tostão! A hora é agora! Enfeite seu interior! Seja diferente! Seja reluzente!" #meupresentedenatal #feliznatal #feliznavidade #M2 #nossasfamiliasexistem

Continua após a publicidade

A post shared by Marielle Franco (@marielle_franco) on

Continua após a publicidade

Em agosto último, na plenária que votou um projeto de lei de autoria da parlamentar pela instituição do Dia da Visibilidade Lésbica no Rio de Janeiro, ela fez um duro discurso sobre a responsabilidade da Câmara na defesa dos direitos LGBT. O projeto foi reprovado por 2 votos de diferença. E, de acordo com uma assessora técnica da Câmara que à época preferiu não se identificar, “nenhum outro projeto de celebração à vida LGBT chegou tão longe quanto esse”.

O tema foi lembrado ainda, naquele que é considerado o último pronunciamento público antes do crime que tirou sua vida. Ao finalizar sua fala, citou a escritora caribenha Audre Lorde, negra, feminista e lésbica como ela: “Eu não sou livre enquanto outra mulher for prisioneira. Mesmo que as correntes dela sejam diferentes das minhas. Por isso vamos juntas lutando contra toda forma de opressão”.

Continua após a publicidade

Monica, viúva de Marielle.

[Atualização em 19/03/2017: Monica deu entrevista ao Fantástico no domingo (18)]

Reclusa desde o assassinato da companheira, Monica, compreensivelmente, não quer conceder entrevistas ou declarações. Nos perfis de Marielle em redes sociais, estão as lembranças de um relacionamento feliz – as duas aparecem sorrindo e apaixonadas, em viagens, shows, entre amigos, com a filha adolescente da vereadora e também nas paradas LGBT.

View this post on Instagram

Daqui a pouco 19 anos da Luyara com Amor em muitas formas e encontros

Continua após a publicidade

A post shared by Marielle Franco (@marielle_franco) on

Continua após a publicidade

Não faltam declarações da parlamentar, quase sempre finalizadas com a hashtag #NossasFamíliasExistem, em referência ao Estatuto da Família, que define a família como a união entre homem e mulher. Mônica por sua vez, correspondia com comentários como “entre tantas vidas, que sorte a nossa”. No último registro publicado, no dia 1 de março, as duas posavam sorridentes com o Complexo da Maré ao fundo, em comemoração ao aniversário do Rio de Janeiro.

Na noite de 14 de março, Marielle deixou, além de tantas lutas, da família e dos amigos, seu grande amor. Monica ficou viúva. E nós, de certa forma, também.

Continua após a publicidade

View this post on Instagram

"Os seus braços o meu ninho No silêncio de depois E você tem que ser a estrela derradeira Minha amiga e companheira No infinito de nós dois" Minha Namorada Vinicius de Moraes #M2 #diadoabraço

A post shared by Marielle Franco (@marielle_franco) on

Continua após a publicidade

Leia também: Vaquinha virtual para ajudar família de motorista morto com a vereadora Marielle Franco

+ O que mãe de policial morto disse sobre Marielle

Publicidade