Clique e assine Claudia a partir de R$ 5,90/mês

Por que o papa Francisco está sendo criticado por grupos de mulheres

No centro da polêmica está a carta que o papa vai divulgar no próximo fim de semana, em evento na cidade de Assis, na Itália

Por Da Redação - Atualizado em 30 set 2020, 10h39 - Publicado em 30 set 2020, 11h00

A ausência do termo “irmãs” na próxima encíclica publicada pelo papa Francisco desagradou mulheres e vem sendo alvo de críticas.A carta é a terceira divulgada pelo papa e seu texto será divulgado no próximo fim de semana, na cidade de Assis, a Itália, durante um evento.

O tema da encíclica é a irmandade entre os povos em um mundo cheio de conflitos e assolado pela pandemia do novo coronavírus e o título da carta já foi divulgado: Fratelli tutti”, que significa “todos irmãos”, em italiano. A expressão vem de um texto de São Francisco de Assis e as mulheres não se sentiram representadas já que não há o equivalente para o gênero feminino.

Trinta organizações católicas femininas da Europa, África, Ásia e América do Sul encaminharam uma carta ao papa, considerado um dos mais progressistas em relação ao espaço dado a mulheres na Igreja Católica, reclamando de exclusão semântica. Segundo a BBC, elas argumentam que “o substantivo masculino distanciará muitos em um momento em que as mulheres em muitos idiomas e culturas diferentes sofrem por ouvir que o masculino é entendido em um sentido genérico”.

A resposta do Vaticano foi publicada pelo L’Osservatore Romano, jornal oficial da Santá Sé, escrita pelo diretor editorial para comunicação, Andrea Tornielli, diz que considerar que o título do texto do papa exclui metade dos seres humanos, as mulheres, é absurdo e que o próprio tema da carta, fraternidade e amizade, já dão a ideia de união entre homens e mulheres.

 

Continua após a publicidade
Publicidade