Vera Fischer fala sobre como escapava de testes do sofá

No 'Programa do Bial', atriz contou que passou sua juventude inventando desculpas parar fugir de diretores e produtores nos bastidores do cinema e da TV

A atriz Vera Fischer, que completa 67 anos na próxima segunda-feira (27) – 48 de vida pública, desde que foi eleita Miss Brasil 1969 –, foi entrevistada pelo Programa do Bial na última terça-feira (21). Entre diversos assuntos, Vera comentou sobre os chamados “teste do sofá”, nome popular dado aos abusos sexuais cometidos por diretores e produtores nos bastidores de novelas e cinemas.

Leia também: Vera Fischer é a rainha do TBT no Instagram

Enquanto Hollywood vive um momento especial em que as mulheres tomaram coragem para denunciar os homens que cometeram esse tipo de assédio em suas trajetórias, no Brasil o assunto segue sendo um tabu – apenas o ator José Mayer teve sua carreira afetada ao ser denunciado por abuso sexual. No entanto, o tema foi abordado durante a entrevista.

Leia também: Vera Fischer: “O Tony Ramos que beija de um jeito só dele”

Pegando como gancho o próximo trabalho da atriz, a série Assédio – sobre o ex-médico Roger Abdelmassih em que Vera interpretará a apresentadora Hebe Camargo–, Bial perguntou se ela sofreu assédio no início a sua carreira e se o “teste de sofá” era norma na época.

“Tanto no cinema quanto na televisão passei por diretores e produtores, recebi cantadas, mas sou espertinha, né? Eu fazia cada coisa terrível com eles, não sei se posso contar aqui”, disse.

O apresentador autorizou e ela prosseguiu: “Eu falava que chegou a menstruação, que era muito sangue, nojento, a pessoa nunca mais olhava para mim. Na outra semana o outro vinha e eu dizia ‘estou com uma doença aqui, pode ser que pegue’, já me saía bem de novo. Eu passei minha vida de jovem na TV e no cinema assim. Ninguém mais queria… ‘Essa aí não, tá sempre com problema‘”, disse Vera rindo.

“Mas você há de convir que é terrível uma atriz ter de recorrer a esses expedientes uma carreira inteira”, reforçou Bial antes de comentar os casos do showbiz americano. “Agora  maré virou”, disse. E Vera apoiou: “E virou sério! Tem que botar a boca no trombone mesmo. Tem que falar!”

Assista ao momento aqui.