Clique e assine com até 75% de desconto

Para não correr riscos, isolamento em Windsor é a opção de Elizabeth II

Rainha e Charles, por conta de suas idades avançadas, estão no grupo de maior risco de contaminação

Por Da Redação 18 mar 2020, 10h30

Ela foi e voltou, mas amanhã (19) deve seguir definitivamente para Windsor e deixar o Palácio de Buckingham, em Londres, até a pandemia de Coronavírus passar. Aos 93 anos, a Rainha Elizabeth não tem problemas oficiais de saúde, como seu marido, príncipe Philip, com 98, mas, pela idade avançada ela está no grupo de maior risco em relação ao vírus. Só vai voltar para Londres,  depois da Páscoa (e olhe lá). Mesmo as cerimônias nos jardins de Buckingham e Windsor foram suspensas até segundas ordens. 

O Palácio de Windsor é a casa favorita da Rainha e a equipe que a atende foi reduzida, seguindo as orientações para não expor muitos funcionários a riscos desnecessários. Elizabeth II, que faz aniversário no dia 21 de abril, é a monarca com maior longevidade no trono inglês. Muito popular entre os súditos, a saúde dela é uma questão de Estado.

 Há poucas semanas, ela chegou a usar luvas em um evento social que teria que cumprimentar as pessoas, mas logo voltou a mostrar as mãos sem proteção. Seu herdeiro direto, príncipe Charles, com 71 anos, e sua esposa Camilla, com 72, também fazem parte do grupo de maior risco de infecção. Philip já está praticamente isolado desde que deixou a vida pública.   

  Harry e Meghan isolados no Canadá

 Meghan Markle e príncipe Harry conseguiram chegar em Vancouver antes dos vôos internacionais serem suspensos e estão na ilha Vitória, com o filho Archie. Segundo a imprensa britânica e americana, o casal restringiu o  número de pessoas com acesso à criança e mesmo assim só tem contato quem passa pelo um estrito processo de recomendações para evitar o contágio. 

Max Mumby/Indigo/Getty Images/Getty Images

Os jornais reportam que Harry, a poucas semanas de oficialmente iniciar sua independência da Família Real, está triste e muito preocupado com o pai e a avó. Ele também está ressentido que sua despedida em Londres tenha sido exposta pela pegadinha dos comediantes russos, no qual ele caiu sem perceber que estava falando com pessoas posando como Greta Thunberg e seu pai. O príncipe não se preocupa com o que falou, é sua opinião e não era segredo, mas sim pelo fato de terem tentado colocá-lo em uma situação de constrangimento.

Para amigos, Meghan teria confessado que a despedida foi mais agridoce do que eles antecipavam, mas que ela teve também a confirmação de que era a decisão certa, a de se afastar da Família Real. Segundo as revistas americanas, a queixa da ex-atriz é mais dura em relação à frieza de Kate Middleton e a postura restrita de afagos entre os membros da família.   “Ela [Meghan] quer que Archie cresça em uma casa onde receba muitos abraços e beijos”, disse uma das amigas à US Weekly.

Ainda assim, para aliviar a saudade tanto de Harry quanto da avó, os dois acertaram com a Rainha (e com Charles) que voltarão à Inglaterra em junho – será verão por lá – levando Archie.  Isso, é claro, quando a pandemia passar.

 

  •  

    Continua após a publicidade
    Publicidade