Clique e assine Claudia a partir de R$ 5,90/mês

Irmão de Chadwick Boseman relembra a última conversa que tiveram

Em entrevista ao The New York Times, Kevin e Derrick Boseman relataram lembranças com o irmão caçula antes e depois da fama

Por Da Redação - Atualizado em 5 out 2020, 12h32 - Publicado em 5 out 2020, 14h00

Os irmãos mais velhos de Chadwick Boseman trouxeram à tona boas lembranças que tiveram com o caçula, em entrevista ao The New York Times publicada na última sexta-feira (2). Entre memórias da infância e do caminho até atingir a fama, Derrick e Kevin Boseman relembram dos últimos momentos do ator.

Chad, como ele era chamado pelos irmãos, morreu no dia 28 de agosto, aos 43 anos, vítima de um câncer de cólon contra o qual lutou por quatro anos. Derrick, que é pastor, contou ao jornal sobre a última conversa que tiveram.

“Não importa o que ele estava enfrentando, ele sempre dizia ‘Aleluia’. Ele nunca parou de dizer isso”, compartilhou. “Quando ele me disse isso, eu mudei a minha oração de ‘Deus, o cure, Deus o salve’ para ‘Deus, que seja feita sua vontade’. E ele faleceu no dia seguinte”, relata.

Já Kevin, que também é ator, além de dançarino e escritor, falou sobre o início da carreira de Chad e sua fama. “Você precisa compartilhar essa pessoa com o mundo. Eu sempre me esforcei em tratá-lo apenas como meu irmão”, disse.

View this post on Instagram

Continua após a publicidade

We Three Kings, circa 1994. Happy National Siblings Day! 👑👑👑 #nationalsiblingsday #brothers #BosemanBrothers #love #throwback #flashback

A post shared by KEVIN BOSEMAN (@kevinboseman) on

Antes de fazer sucesso como Rei T’challa, em Pantera Negra, e James Brown, em Get on Up – História de James Brown, Boseman e seus irmãos cresceram em uma pequena cidade chamada Anderson, na Carolina do Sul, Estados Unidos.

“Ele ter nascido nessa cidade é uma inspiração de que você pode vir de lá e se tornar algo”, disse Derrick. “Chad era talentoso. Provavelmente a pessoa mais talentosa que eu já conheci”, completou.

Os irmãos também compartilharam que Chad sempre dava o seu melhor em tudo o que se propunha a fazer, uma ideologia incentivada pelo pai, Leroy. “Muitas pessoas pensam que isso significa se tornar uma estrela de cinema de primeira linha. Mas eu não forcei isso. Eu sabia que se Chad quisesse trabalhar nas artes, ele encontraria um jeito e cuidaria de si mesmo”, disse Kevin, que dançou profissionalmente na adaptação teatral de O Rei Leão. “Ele sempre fez o seu melhor. Seu melhor foi incrível.”

O que falta para termos mais mulheres eleitas na política

Continua após a publicidade
Publicidade