Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Harry aprendeu com Meghan sobre apoio a pessoas com pensamentos suicidas

Harry e Oprah Winfrey colocam a saúde mental em pauta em episódio especial da série The Me You Can't See

Por Da Redação 31 Maio 2021, 19h13

A estreia de The Me You Can’t See, série comandada por príncipe Harry e Oprah Winfrey, em 21 de maio, foi seguida de um episódio especial chamado The Me You Can’t See: A Path Forward, que foi ao ar na última sexta-feira (28). Diversos convidados debateram sobre saúde mental e o que fazer a partir disso.

Harry falou sobre a importância do apoio às pessoas que sofrem com pensamentos suicidas. “Muitas pessoas têm medo de ter essa conversa porque não sentem que têm as ferramentas certas para dar o conselho certo”, comentou o duque de Sussex.

“Mas o que você quer dizer é que você está lá. Ouça, porque ouvir e fazer parte dessa conversa é, sem dúvida, o melhor primeiro passo que você pode dar”, aconselha.

Glenn Close, Zak Williams e Ambar Martinez são alguns dos convidados do episódio especial e contaram sobre suas histórias pessoais. Além disso, o programa também traz especialistas para compartilhar orientações sobre o assunto.

No início da série, Harry contou que os pedidos dele e de Meghan Markle por ajuda, quando ela estava com pensamentos suicidas, foi “totalmente negligenciado”.

É leitora de CLAUDIA? Responda essa pesquisa rapidinho pra gente te conhecer melhor!

Harry e Meghan abraçados
Harry aprendeu com Meghan sobre o apoio a pessoas com pensamentos suicidas Reprodução Sussexroyal/Instagram

“Achei que minha família iria ajudar, mas cada solicitação, pedido, aviso, seja o que for, era recebido com silêncio total, abandono total. Passamos quatro anos tentando fazer funcionar. Fizemos tudo o que podíamos para ficar lá e continuar seguindo o papel e fazendo o trabalho. Mas Meghan estava lutando”, desabafou.

Harry comentou ainda sobre o papel da terapia para superar as situações que enfrentou na vida, além de ter ajudado sua família e Meghan. “Para mim, a terapia me equipou para ser capaz de fazer qualquer coisa”, contou.

“Como pais, como irmãos, certamente com o que aprendi – há um elemento de vergonha que sentimos, porque pensamos, ‘Como não vimos? Como não sabíamos? Como você não se sentiu confortável o suficiente para vir até mim e compartilhar isso comigo? ‘ Mas todos nós sabemos quando as pessoas estão sofrendo e lutando, somos todos incrivelmente bons em encobrir isso para aqueles que sabem que estamos encobrindo”, finalizou.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade