Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Lado B por Vanessa Rozan

Maquiadora, consultora e pesquisadora de beleza, fundadora do Liceu de Maquiagem.
Continua após publicidade

Envelhecer é uma rebeldia

O que antes era o fim de uma vida, hoje é só a metade do caminho, o que nos possibilita reescrever nossa jornada

Por Vanessa Rozan
17 dez 2022, 08h05

Minha mãe é uma mulher fantástica. E ela cavou com colher de sobremesa o seu próprio caminho. Criada com enxoval pronto, cursou até a oitava série, abandonou os estudos para casar, foi mãe aos 17 e mudou-se para a cidade grande. Montou lavanderia, foi mãe de novo, fundou uma empresa de máquinas agrícolas. Enquanto se via entre impostos e tratores, ela decidiu voltar a estudar. Fez supletivo, faculdade, pós-graduação. Tornou-se cosmetologista e, hoje, além de administrar o Liceu, nossa escola de beleza, dá aulas e treinamentos, e é consultora de fórmulas para uma grande empresa. Ela reformulou tudo nos últimos 20 anos.

Gosto de falar dela quando o assunto é futuro. No começo do século 20, a estimativa de vida da mulher era de 33 anos. Nem na menopausa dávamos conta de chegar. De 1960 para 2018, com a compilação de dados globais, a estimativa passou de 48 anos para 75,5. É um salto enorme num curto espaço de tempo se pensarmos na história do planeta. Porém, enquanto tecnologia e ciência propiciaram esse avanço, pouco evoluímos na nossa humanidade.

Veja, essa mesma mulher fantástica, que assumiu os cabelos grisalhos e foi a primeira entre as irmãs a falar abertamente de menopausa, foi alvo de piadinhas de um grupo de meninas no metrô a caminho do trabalho. As estudantes riam enquanto comentavam o fato de uma senhora como ela usar franja. Sim, isso que você leu, franja de cabelo. A única coisa que elas esqueceram é que essa geração de mulheres ativas e potentes, que está ressignificando o que é ser mulher com 50, 60, 70, 80 anos, está correndo para que moças e crianças como a minha filha possam andar tranquilamente quando forem mulheres adultas. Ou seja, elas poderão fazer outras escolhas que não só envelhecer invisíveis no vestido de florzinha e sapatos ortopédicos.

Se isso não é um exercício de futuro, não sei o que é. Tão necessário e importante como o das feministas da década de 60 e 70 que falaram abertamente sobre interseccionalidade, violência e direitos reprodutivos para que o #MeToo pudesse acontecer.

Continua após a publicidade

Enquanto lutamos para envelhecer como quisermos, é preciso retomar as narrativas do que significa menopausa, linhas de expressão, rugas, reposição hormonal, sexo, gravidez, corpo, cabelo e, sim, até franja. O que antes era o fim de uma vida, hoje é só a metade do caminho, o que nos possibilita reescrever e refazer nossa jornada, a qualquer momento. O tempo, antes, era o grande empecilho. Agora, o vilão é a opinião alheia. “Velha demais para batom vermelho, para decote, para renda, para gozar, para ser mãe de novo, para mudar de carreira, para namorar.”

E para as moças do metrô, resta Gloria Steinem: “De um modo geral, as mulheres tornam-se mais radicais à medida que envelhecem. O padrão é que as mulheres são conservadoras quando são jovens. É quando há mais pressão sobre nós para nos conformarmos, quando somos potenciais carregadoras de filhos e objetos sexuais. E perdemos poder quando envelhecemos. O que é uma experiência muito radicalizadora”.

Envelhecer é radical. Não aceitaremos nada menos do que isso, senhoras.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.