CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS
Denise Steiner Por DERMATOLOGIA A médica Denise Steiner é dermatologista, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia e doutora pela Unicamp

Sabia que seu intestino e sua pele têm muito em comum?

O intestino, assim como a pele, fica desregulado com agressões, principalmente alimentação e estresse

Por Denise Steiner Atualizado em 2 fev 2022, 11h26 - Publicado em 3 fev 2022, 11h00

Seja você mesma, com cuidado e com amor pela sua saúde. Os cuidados e o planejamento com ela irão repercutir na sua pele, que é o maior órgão do corpo humano.

Você já parou para pensar que o intestino e a pele têm muito em comum? O intestino é um órgão que, embora interno, recebe elementos externos – os alimentos – e, dessa forma, tem contato com esses agentes. Assim como a pele, que também interage com agentes externos.

Veja também: Colágeno para pele: tomar ou não tomar?

O intestino, quando está saudável, tem seletividade, deixando entrar nutrientes melhores e eliminando o que é tóxico. A disbiose é a situação em que o intestino não funciona bem, baixando a imunidade geral.

A pele, órgão externo, quando inflamada, permite uma intoxicação provocando a inflamação. Ela dá sinais de desgaste ficando avermelhada, inchada, com poros abertos, manchada, oleosa e brilhante. E também apresenta avermelhamento, descamação e alergias quando muito modificada.

A comparação disso com o intestino é que este produz gases, desconexão celular e baixa imunidade. O intestino, assim como a pele, fica desregulado com agressões, principalmente alimentação e estresse.

Entendo que o planejamento do cuidado com você é ser você mesmo, mas mantendo a saúde. Coma menos vezes por dia, evitando produtos prontos e processados e priorizando alimentos de verdade. Evite excesso de carboidratos. Os carboidratos tipo pão, bolacha, doces e pizzas inflamam a pele. Pele inflamada é pele envelhecida.

Em geral, carne, ovos, verduras e frutas vermelhas ajudam a pele. Procure dormir bem para ajudar na qualidade da pele. Exercícios específicos também podem fazer a diferença na irrigação saudável da pele.

Continua após a publicidade

Procure conhecer bem sua genética e perceba o que causa estresse, diminuindo o mesmo. Fazer peelings em qualquer idade provoca a troca da pele, com aumento da irrigação e renovação das células.

Planejar e produzir resultados não é ser escravo da beleza, mas sim perceber o que pode ajudar no seu bem-estar geral. O envelhecimento da pele pode ser relacionado não à idade em si, mas sim aos cuidados inadequados.

O filtro solar é importante, principalmente quando há histórico de câncer de pele e tendência à queimadura. O melasma, que também é um sinal de envelhecimento, piora com a luz visível.

Receita básica para pele jovem: limpeza suave, hidratante com alfahidroxiácidos e antioxidantes.

Receita básica para pele mais madura: limpeza suave, e hidratante com ácido hialurônico e ácido retinóico para prevenir o envelhecimento.

Luz pulsada também é interessante para atuar nas manchas e vasos dilatados, melhorando também o estímulo de colágeno. Outras intervenções que podem ajudar na prevenção da doença da pele são: o microagulhamento e micro infusão de medicamentos. Nesse caso, não é uma intervenção agressiva, mas sim regenerativa que provoca a reação natural da pele. Ao fazer a picadura da pele o procedimento provoca a liberação de fatores do crescimento que estimulam melhor irrigação e maior produção de colágeno.

Há muitas maneiras de cuidar da pele, prevenindo a doença e diminuindo o desgaste que causa o envelhecimento precoce. No entanto, temos que lembrar que não há prevenção sem estilo de vida saudável.

Cuide-se.

Continua após a publicidade

Publicidade