CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS
Denise Steiner Por DERMATOLOGIA A médica Denise Steiner é dermatologista, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia e doutora pela Unicamp

Não confunda herpes zoster com herpes simples

Conheça as diferenças entre os vírus e saiba como tratar da maneira correta

Por Denise Steiner 3 mar 2022, 09h19

É interessante pontuar as diferenças entre essas duas viroses que podem comprometer nossa pele e estão relacionadas à baixa de resistência. O herpes simples é causado pelo vírus do mesmo nome e está caracterizado por conjunto de vesículas agrupadas que logo rompem, formando uma ferida muito incômoda.

O herpes simples tipo 1 frequentemente compromete a pele na região perinasal e peribucal, enquanto o subtipo herpes simples tipo 2 atinge a região genital e ou perianal e é considerado uma doença sexualmente transmissível.

O herpes tipo 1 é muito contagioso, especialmente na fase ativa das vesículas – e a maioria das pessoas que já teve contato com ele consegue eliminá-lo sem o aparecimento de lesões clinicas. No entanto, algumas pessoas incubam esse vírus e têm recidivas constantes que podem estar associadas à baixa resistência local e sistêmica.

Outras viroses, cansaço excessivo, noites mal dormidas, estresse intenso e também muito sol sem protetor solar, podem estar relacionados à recidiva do herpes simples 1 ou 2. O herpes simples é tratado com medicamento antiviral, que pode ser sistêmico ou tópico. O tratamento via oral (sistêmico) para ser mais eficaz, deve iniciar no primeiro ou segundo dia das manifestações cutâneas. O medicamento pode ser o aciclovir ou valaciclovir, 2 a 5 vezes ao dia, por 5 a 10 dias, dependendo da intensidade de cada caso. As pomadas antivirais com estes mesmos ativos podem ser utilizadas, 3 a 4 vezes ao dia.

O herpes zoster, diferentemente do herpes simples, é causado pelo vírus da catapora ou varicela. Ele, em geral, inicia com dor intensa no local afetado antes mesmo das lesões de pele, e por isso sendo confundido com infarto do miocárdio, gastrite, enxaqueca, entre outros, sempre dependendo do local acometido.

O herpes zoster também é conhecido como cobreiro e segue o trajeto de um nervo, aparecendo somente de um lado do corpo. As lesões também são vesículas que rompem e deixam crostas castanho amareladas. Costuma ocorrer somente uma vez, o que o diferencia do herpes simples redicivante.

O herpes zoster pode ser a ponta do iceberg de um problema mais grave, sendo importante a investigação laboratorial mais detalhada da pessoa acometida. Sendo assim, pessoas com 50 anos ou mais devem tomar a vacina para prevenir. 

O herpes zoster é tratado com os mesmos antivirais usados para o herpes simples, porém com doses mais altas e tempo mais prolongado. Preste atenção na sua saúde.

Cuide-se. 

Continua após a publicidade

Publicidade