Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Denise Steiner Por DERMATOLOGIA A médica Denise Steiner é dermatologista, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia e doutora pela Unicamp

O melasma tem cura?

A colunista Denise Steiner explica o que é o melasma e dá seis dicas para tratar essas manchas

Por Da Redação Atualizado em 2 set 2021, 12h05 - Publicado em 2 set 2021, 13h00

Em primeiro lugar vamos entender o que é o melasma e como podemos tratar e cuidar da pele com esse tipo de mancha. O melasma também é chamado de “cloasma gravídico” porque aparece no rosto das mulheres grávidas com muita frequência. 

Trata-se de uma mancha marrom sem delimitação, que aparece no rosto sem qualquer tipo de sintomas como avermelhamento ou coceira. Essa mancha costuma acontecer na testa, buço, região da bochecha e mandíbula.

Ela acontece mais em mulheres jovens, sendo muito frequente no Brasil tanto por termos muita miscigenação de pele, como porque estamos num país tropical. No sol temos muitos tipos de radiação e todas pioram o melasma, principalmente a luz visível, que penetra muito profundamente na pele e configura 40% do espectro solar.

melasma
Melasma é uma mancha marrom sem delimitação, que aparece no rosto sem avermelhamento ou coceira Reprodução/Getty Images

Recentemente foi evidenciado que a pele do melasma é envelhecida, os vasos sanguíneos estão aumentados, sendo, além disso, influenciada pelos hormônios circulantes.

O tratamento do melasma deve ter dois objetivos:

  1. Clarear a pele
  2. Reverter os danos causados pelo envelhecimento.

O melasma não tem cura, porque nele existe um componente genético que não é controlado, porém quando melhoramos a qualidade da pele e conseguimos proteger e clarear a mesma, ele pode desaparecer. Portanto, quanto antes você tratar o melasma, melhores os resultados a longo prazo.

Continua após a publicidade

Há muitos clareadores como hidroquinona, ácido kógico, cisteamina, vitamina C, ácido retinóico, resorcinol entre outros. A hidroquinona é muito conhecida, porém ela não pode ser usada por longos períodos por provocar manchas brancas que chamam “leucodermia em confete”.

Escolha um bom dermatologista para tratar do seu melasma, pois não existe milagre e ele irá identificar o seu tipo de melasma, o grau de envelhecimento da pele, a alteração vascular e sua resposta à radiação solar.

concept skincare. Skin of beauty young woman with magnifier before and after the procedure on a white background
Tratamentos contra o melasma evgenyatamanenko/Getty Images

Portanto, repito: não existe milagre, mas sim um bom diagnóstico e tratamento.

Passo a passo dos cuidados com o melasma:

  1. Proteger a pele com filtro solar com FPS alto, proteção para UVA, pigmento para proteger a luz visível.
  2. Converse com seu dermatologista, se você pode ou não tomar ácido tranexâmico, que é um remédio para o melasma e para o qual são necessários exames especiais.
  3. Siga usando uma boa combinação de clareadores e produtos para prevenir o envelhecimento cutâneo.
  4. Evite irritação da pele na área do melasma.
  5. Combine procedimentos como: a) laser específico para retirada do pigmento profundo. b) microagulhamento ou MMP ou PRP para melhorar a qualidade da pele.
  6. Bioestimulação para melhorar o estímulo da formação de colágeno.

Para finalizar, lembrar que a mancha do melasma é uma consequência da combinação de vários fatores relacionados à sua saúde: alimentação, sono, equilíbrio hormonal e cuidados com a pele.

O tratamento pode ser excelente, mas se o estresse for intenso e a saúde desequilibrada, tudo pode recomeçar.

Cuide da sua pele!

  • Continua após a publicidade
    Publicidade