Descubra as causas e como tratar a flacidez

Os tratamentos mais modernos conseguem melhorar muito o tônus e aparência da pele

A flacidez da pele ocorre pela falta de colágeno. Ele é a principal proteína presente no corpo humano e é através de suas fibras alongadas e dispostas paralelamente na derme que ela sustenta a pele. A diminuição dela, que é a principal do corpo humano, e a piora da condição da pele podem ser favorecidas por alguns fatores, como alimentação inadequada, doenças sistêmicas, alterações hormonais, idade avançada, emagrecimento abrupto, medicamentos, fumo, entre outros.

Por que ocorre?

O colágeno é produzido continuamente durante a vida, mas, por volta dos 25-30 anos, a sua produção começa a diminuir e vai caindo ainda mais conforme a idade vai avançando. Por esse motivo com a idade mais avançada a pele vai ficando mais flácida e caída em todas as partes do corpo.

A alimentação é importante na formação e manutenção do colágeno, pois, para a produção do mesmo, é preciso quantidade significativa de proteína. Dietas com muito açúcar e gordura e pouca proteína favorecem a flacidez cutânea. Os veganos e vegetarianos, tem em geral dificuldade de manter o nível proteico adequado. Além disso, certos alimentos que facilitam a glicação (doces, álcool, alimentos processados)  são prejudiciais, pois se ligam com facilidade ao colágeno, deixando o mesmo endurecido e disfuncional.

Os hormônios, em especial os estrogênios, ajudam na manutenção do colágeno. As mulheres após a menopausa têm menos estrógeno e pele mais flácida.

Como tratar?

Hoje é possível tratar a flacidez cutânea com bioestimuladores, como o ácido polilático e hidroxiapatita de cálcio. Essas substâncias, quando injetadas e espalhadas na pele, estimulam a formação de novas fibras deixando o tecido mais tonificado.

O ácido polilático vem acondicionado numa ampola em pó liofilizado e precisa ser diluída em água destilada 24 a 72hs antes do procedimento. Em geral, para tratamento de flacidez corporal a diluição do ácido polilático é feita para 16 a 20ml de volume total. Em seguida, esse líquido é aplicado na área de pele flácida com agulha ou cânulas.  A profundidade e a quantidade injetadas por cm² são importantes para o resultado final. Áreas como pescoço, abdômen, braços, nádegas e face interna das coxas podem ser tratadas com 1 a 4 sessões usando 1 frasco de ácido polilático para uma área de cerca de 15×20 cm².

A hidroxiapatita de cálcio também precisa ser diluída pela metade, um terço ou um quarto, dependendo da espessura da pele e o local a ser tratado.

A aplicação do ácido polilático ou hidroxiapatita de cálcio é ligeiramente dolorosa, sendo a massagem vigorosa necessária após a aplicação de ambas as substâncias. Durante alguns dias, o paciente precisa massagear o local tratado cerca de duas vezes ao dia. O melhor resultado da bioestimulação ocorre 90 dias depois da última aplicação. Podem ocorrer hematomas e avermelhamento após as sessões.

Esse tratamento pode ser associado a outras tecnologias como radiofrequência, ultrassom microfocado e também alguns tipos de laser. Nesse caso, as tecnologias que emitem calor devem ser utilizadas primeiro e, na sequência, deve ser feita a injeção com os bioestimuladores.

Os resultados do tratamento para flacidez corporal com bioestimuladores são eficazes, com poucos efeitos colaterais e muito alentadores.

Leia mais: Como identificar e prevenir o câncer de pele

PODCAST – Como dialogar com as crianças e adolescentes sobre sexualidade