Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Você é uma mãe muito controladora?

Entenda por que o excesso de zelo não faz bem às crianças e aprenda a dar mais liberdade a seus filhos sem abrir mão da segurança

Por Ana Bardella (colaboradora) Atualizado em 16 jan 2020, 05h40 - Publicado em 7 jan 2013, 21h00

Depois de juntar dinheiro por um tempo, finalmente vocês vão fazer uma viagem em família. Que gostoso! E que tal aproveitar a oportunidade para rever algumas crenças e dar mais liberdade aos pequenos? Zelar pelos filhos é essencial, mas exagerar na dose prejudica o desenvolvimento deles.

Nestas férias, respire fundo e incentive seus filhos a saírem de baixo da sua saia e fazerem novos amigos. Se o hotel tiver monitores, deixe que as crianças brinquem à vontade. Use as refeições para fortalecer os vínculos familiares. Leia a entrevista com a psicóloga Márcia Major e aprenda a ser menos controladora sem sofrer.

Para amar sem sufocar…

Quais motivos tornam uma mãe controladora?

Fatores como preocupação com a violência ou de que os filhos se envolvam com drogas, experiências de vida traumáticas e até questões psicológicas da própria mãe, como medo de perder o poder de ser mãe ou necessidade de mostrar que tem o controle.

Qual é o limite saudável para o controle?

Os pais devem encontrar um meio-termo entre cuidar e respeitar a individualidade da criança ou do adolescente. A melhor forma de diferenciar o controle normal do patológico (doentio, que precisa de tratamento) é conversando abertamente com os filhos. Não existem fórmulas prontas, mas o exercício de refletir juntos sobre a questão já ajuda muito. Dependendo do caso, também vale a pena procurar ajuda profissional.

E esse limite na hora de controlar a vida dos filhos muda conforme a idade?

Muda, sim. É preciso respeitar a maturidade dos filhos. Não dá para querer controlar um jovem da mesma forma que se controla uma criança. O comportamento do jovem é outro, porque ele é muito mais questionador. Se os pais fizerem um controle rígido demais poderão desencadear vários conflitos familiares.

Como perceber se o controle é exagerado?

Tendo bom-senso. A mãe deve se perguntar: “Eu costumo permitir que meu filho tenha sua própria individualidade?”. A mãe deve analisar também seus próprios sentimentos. Ao tentar controlar o outro, ela aumenta a ansiedade, além de prejudicar a realização das tarefas do dia a dia, porque o pensamento dela se volta só para a vida do filho.

Continua após a publicidade

Quais são os riscos desse comportamento dos pais para o desenvolvimento dos filhos?

Além de gerar conflitos familiares constantes, crianças educadas com excesso de controle e zelo acabam se tornando inseguras, não aprendem a confiar no próprio taco e sentir amor por si mesmas, e, por fim, sentem dificuldade para conviver com as outras pessoas.

Por que é importante que meninos e meninas tenham mais liberdade?

Justamente para favorecer seu desenvolvimento. Para que eles possam aprender a lidar com conflitos, tenham autonomia e independência e acreditem em si mesmos.

Como acertar a mão?

Dando um passo de cada vez. Se você sabe que exagera no controle, reflita bem antes de agir ou de reprimir os filhos. É necessário tanto zelo mesmo?

E o que fazer com os perigos da vida moderna?

Eles são reais, mas devemos aprender a conviver com esses perigos, porque somos modelos para nossos filhos. Se sentimos medo excessivo, a mensagem que enviamos aos pequenos é que eles devem sempre sentir medo. E medo demais é incapacitante, paralisa.

Quais os melhores conselhos para as mães que têm muita dificuldade em soltar os filhos?

Não projetem suas frustrações, desejos e anseios nos filhos. Pensem neles como seres independentes, que precisam ter suas próprias experiências de vida. Impedir que eles façam suas escolhas na infância ou na adolescência, conforme a idade permite, só adiará seu desenvolvimento, criando dificuldades de relacionamento e imaturidade. Reflita bem sobre isso.
 

Continua após a publicidade
Publicidade