CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS

Biquíni de crochê causa candidíase? Dermatologista esclarece polêmicas

Após Jade Picon utilizar o biquíni de crochê no BBB, a peça se transformou em uma grande tendência neste fim de verão

Por Kalel Adolfo Atualizado em 18 mar 2022, 12h46 - Publicado em 20 mar 2022, 08h44

O biquíni de crochê é uma das peças mais populares do momento: quem aí não se encantou com o utilizado por Jade Picon no Big Brother Brasil? Porém, ele está causando uma intensa discussão nas redes sociais por suas limitações: um dos pontos levantados é que o biquíni é ótimo para dar aquele close no Instagram, mas na prática, acaba dificultando a vida de quem o usa.

Além do tecido não ser muito resistente à mergulhos no mar ou piscina, ele também pode provocar irritações na pele e até mesmo candidíases. Pensando nisso, Claudia conversou com o dermatologista Luann Lôbo, queridinho de celebridades como Cléo Pires, Gabriela Pugliesi e Luiza Thomé. Chique, hein? Dá uma conferida:

O tecido do crochê favorece alergias na pele?

Utilizar o biquíni de crochê não significa que você obrigatoriamente irá desenvolver alergias e outras complicações dermatológicas. Porém, os riscos são altos: “O tecido desta peça tem potencial irritativo especialmente nas peles mais sensíveis, como em portadores de dermatite atópica, por exemplo. A trama mais larga do crochê também favorece a deposição e acúmulo de impurezas e agentes infecciosos”, alerta Luann.

Candidíase é um risco real nos biquínis de crochê?

O dermatologista explica que o crochê retém bastante umidade, e isso é intensificado em peças como o biquíni. “Essa umidade retida na região favorece a proliferação de agentes infecciosos como fungos, aumentando as chances de desenvolver micoses — ou até candidíases — em áreas mais quentes do corpo, como nas dobras”, explica.

E aí, preciso parar de usar o biquíni de crochê?

Mas calma, isso não significa que você deve parar de usar este biquíni belíssimo. Até porque, além de atraente, a peça também é uma ótima fonte de renda para os artesãos. Contudo, é necessário tomar alguns cuidados: “Se usado, o ideal é não permanecer com a peça molhada por longos períodos”, esclarece Luann.

Além disso, o dermatologista também indica que as pessoas com pele sensível reforcem a integridade da barreira cutânea. Isso pode ser feito com o uso adequado de hidratantes e sabonetes líquidos suaves. Legal, né? A seguir, confira a thread que deu início as discussões na internet:

Continua após a publicidade

Publicidade